Heroes: 2ª temporada hoje

"Hiro irá um pouco para o lado negro", disse o ator Masi Oka à RS

Por Artur Tavares Publicado em 11/01/2008, às 12h18 - Atualizado às 14h08

Hiro encontrará seu herói de infância no Japão Feudal; veja os outros heróis na galeria de imagens, abaixo

Ver Galeria
(9 imagens)

A primeira temporada ninguém supera? O ator por trás do carismático Hiro, Mais Oka, defendeu, em entrevista coletiva da qual participou a RS: "Para mim, não importa o que aconteça, a primeira temporada sempre vai ser a melhor. Há surpresa, as pessoas pensam 'uau'. Agora, temos outros problemas: como lidar com novos espectadores e manter a audiência. Serão situações diferentes. Não sei se vai ser uma temporada melhor ou pior. Há mais riscos", explica.

Heroes encabeça as poucas boas surpresas da temporada 2006/2007 de seriados estadunidenses. Sucesso de audiência também no Brasil, pela TV a cabo, o drama, em torno de humanos que têm poderes e não sabem por quê e nem exatamente como usá-los, estréia seu segundo volume nesta sexta-feira, 11. A temporada vai ao ar com apenas 11 episódios por causa da greve dos roteiristas nos EUA.

Masi Oka, a cargo do herói que viaja no tempo - e indicado ao Globo de Ouro por este papel -, antecipa que o querido Hiro terá uma virada: "Veremos que ele irá um pouco para o lado negro durante sua jornada". À RS, confirmou que "há um pouco de O Império Contra-Ataca (o quinto episódio da cinessérie Guerra nas Estrelas) nesta temporada".

O segundo volume começa com Hiro no Japão Feudal. Ele irá se encontrar com um lendário herói, sobre quem ouvia histórias durante sua infância. De acordo com Oka, é durante a viagem, 400 anos no passado, que o personagem começa a amadurecer: "Hiro Nakamura é um herói puro. Ele vai se encontrar com alguém mais caótico. Talvez bom, talvez mau. [A relação deles] será como Ying/Yang. Encontrar com Takezo Kensei e presenciar um comportamento diferente fará com que Hiro sinta que pode passar a ser um mentor".

Efeitos Especiais

Atuar não é a única profissão do japonês de 32 anos. Ele, que tem QI 180, trabalha ainda na Industrial Light and Magic, empresa de efeitos especiais de George Lucas. Entre seus feitos mais notáveis estão o desenvolvimento do programa de computador que gerou efeitos de ondas do mar para filmes da cinessérie Piratas do Caribe e dos efeitos especiais da segunda trilogia de Guerra nas Estrelas.

Masi escreveu ainda o argumento de Heroes: Origin, uma minissérie derivada de Heroes, que mostraria novos personagens, um a cada episódio, e ao final abriria espaço para que audiência escolhesse o preferido para colocá-lo no show principal. "Por causa da greve, não haverá mais Heroes: Origin", lamentou à reportagem.

Ver um projeto engavetado não é o suficiente para desanimar o ator, que conta ter como sonho de infância trabalhar em Hollywood. Oka tem a oportunidade de escrever indiretamente seu personagem na série: "Os roteiristas escrevem em inglês e eu traduzo [para o japonês]. Gosto de fazer isso porque se eu deixo para um tradutor profissional, muitas das nuances do personagem são perdidas. A importância de entender a língua é que eu sei o que estou dizendo. E como eu sei o que estou dizendo, posso escolher as palavras certas que representem minhas emoções e minha atuação". E completa: "Muitas vezes eu posso escrever o que ele vai dizer".

Além de participar no desenvolvimento de Hiro, Masi quer dirigir, produzir e escrever episódios para a série. "Eles já têm roteiristas e diretores para esta temporada, mas acho que vou escrever algo na próxima, o que infelizmente pode demorar, devido à greve. Definitivamente, vou me envolver."

Os heróis

Favorito dos críticos, Masi Oka não encara seu personagem como o mais importante da série: "Acho que todos os personagens são importantes. Esta temporada não terá mais o lema 'salve a líder de torcida, salve o mundo' [a líder de torcida é Claire, heroína que se regenera]. Temos muitos personagens para combinar", diz o ator, que lamenta uma certa imobilidade na continuidade do viajante temporal: "Infelizmente, Hiro tem uma linha de história pré-estabelecida, assim como os irmãos Petrelli [um deles consegue voar]. Mas nesta temporada haverá muito mais. A Claire não estará em todos os episódios. Acho que ela apareceu em todos na primeira temporada. Hiro não estava em apenas um, e mesmo assim havia um jovem Hiro. Neste volume, pelo menos, há dois episódios em que Hiro e Claire não estarão."

Sobre um poder de tamanho alcance, Masi arrisca que, na vida real, resolveria a questão dos roteiristas nos States: "Se eu pudesse controlar o espaço e o tempo, daria um jeito nas coisas entre os produtores e os roteiristas. A greve precisa acabar." Por enquanto, o público brasileiro tem onze episódios para ver. Se a greve continuar, é roer as unhas e esperar.

Heroes, estréia da 2ª temporada

Sexta, 11/1, às 21h - Universal Channel

(Reprise do episódio anterior às 20h)