Hitmaker Bruno Mars mostra em São Paulo que também é showman

O músico deu peso roqueiro aos seus sucessos açucarados e ainda foi além

PAULO TERRON Publicado em 25/01/2012, às 09h04 - Atualizado às 14h09

Bruno Mars
Stephen Solon / XYZ Live / Divulgação

Com cerca de 20 minutos de atraso, Bruno Mars subiu ao palco do festival Summer Soul, no Anhembi, em São Paulo, sem deixar dúvida alguma de que era o rei daquela noite de terça-feira: ele mais uma banda de oito músicos (incluindo um trio de metais e um MC) suaram em um repertório de 14 faixas composto basicamente de sucessos.

Cantando e tocando guitarra na maior parte do tempo (ele não se intimidou e fez solos competentes em vários momentos), Mars abriu a noite com “The Other Side” (de seu único disco, Doo-Wops & Hooligans, lançado em 2010) e já emendou em uma canção nunca lançada oficialmente, “Top of the World” (velha conhecida dos shows do norte-americano, sempre apresentada como “a primeira música que escrevi”).

“Billionaire”, gravada por Travie McCoy (e regravada no Brasil por Claudia Leitte, como “Famo$a”) ganhou como introdução um trecho de “Money (That’s What I Want)”, originalmente gravada por Barrett Strong na gravadora pré-Motown Tamla, em 1959. Segundo Mars, o clássico – que também teve versão dos Beatles – foi a inspiração para a composição dele.

Seguiram duas músicas rápidas, “Runaway Baby” e “Marry You”, exemplos do estilo “romântico sim, mas também sacana pegador” do músico. Mas o grande coral da plateia veio mesmo com as baladas açucaradas “Just the Way You Are” e “Talking To the Moon”, que encerraram o show.

Antes disso, porém, Bruno Mars tentou cantar um trecho de “Nothin’ on You” (composição dele para o rapper B.o.B.) para uma fã brasileira, só que a garota parecia mais preocupada em pedir o chapéu dele. Sorrindo mas impaciente, ele não perdeu a deixa: “Já sei o que vou cantar para você. Escrevi uma canção para uma garota que era exatamente assim, como você.” E mandou uma versão pesada de “Grenade”, cuja letra fala de amor não correspondido.

A semelhança entre a voz de Mars e a de Michael Jackson ficou clara durante a boa versão para “Billie Jean”, que usou a base de “Smells Like Teen Spirit” (Nirvana) e terminou em citação de “Seven Nation Army” (White Stripes).

Banda entrosada, vocal afinado e uma performance exemplar no palco mostraram que Bruno Mars é um passo além no mundo do estrelato pop – além de bom compositor (ele poderia ter encaixado mais pelo menos meia dúzia de hits, escritos para outros artistas, no set), ele ainda é um performer impactante.

Saiba nos links abaixo como foram os outros shows do Summer Soul.