Ídolo de Elvis, Beatles e eterno sofredor: há 30 anos morria o lendário Roy Orbison

O Big O, como era conhecido, se tornou um grande astro popularizando hits como “Oh, Pretty Woman”, eternizada pela trilha do filme Uma Linda Mulher

Paulo Cavalcanti Publicado em 06/12/2018, às 09h06

None
Roy Orbison e seu visual icônico (Crédito: Monument Records)

Roy Kelton Orbison nasceu em Vernon, Texas, no dia 23 de abril de 1936. Ele iniciou a carreira cantando rockabilly na Sun Records, a mesma gravadora de Memphis que revelou Elvis Presley, Carl Perkins, Jerry Lee Lewis, Johnny Cash e outros. Mas queria mesmo era ser cantor de baladas.

Orbison fez seu primeiro sucesso em 1956 com o rock “Ooby Dooby”, mas depois que o seu contrato com a Sun acabou, ele resolveu se tornar compositor profissional.

Na década seguinte, o Big O, como era conhecido, se tornou um grande astro mostrando ao mundo sua voz incomum e com elementos de cantor de ópera em canções como “Running Scared”, “Leah”, “In Dreams”, "It's Over", “Only The Lonely”, "Oh Pretty Woman" e muitas outras. 

Orbison era um astro pop nada convencional: não era bonito, usava óculos escuros o tempo inteiro e mal se mexia no palco. Mas cantava com tanta intensidade e dramaticidade que ninguém conseguia ficar imune à presença dele.

Na letras de suas canções, Orbison era o eterno perdedor, o sofredor e romântico incurável que vivia fugindo do passado, eternamente tomado pela culpa e pela paranoia em relação a tudo o que havia deixado para trás.

Se anos 1960 foram mágicos para Roy Orbison, na década de 1970, ele se manteve constantemente na estrada, mas seus discos já não vendiam como antes - e também não emplacava músicas nas paradas de sucesso como nos anos anteriores.

Sua sorte mudou com Blue Velvet (no Brasil, chamado de Veludo Azul), filme cult de David Lynch, lançado em 1986. Quando voltava a viver seu auge, Orbison morreu vitimado por um ataque cardíaco fulminante, em 6 de dezembro de 1988.

“O romantismo apocalíptico de Roy Orbison – tão exagerado que os sonhos se transformam em delírios febris e a autocomiseração virava paranoia, ganharam uma caráter pós moderno. Assim, a música dele foi assimilada por um geração de modernos e descolados”, escreveu a Rolling Stone Illustrated History of Rock and Roll.


Veja, a seguir, mais sobre a vida do "ídolo improvável" Roy Orbison:

Elvis Presley, um fã
Orbison escreveu “Only The Lonely” com a intenção de dar a canção para Elvis Presley. Foi até Graceland para mostrar a música para o amigo, mas Elvis, que trocava o dia pela noite, deu um chá de cadeira de horas em Orbison

O cantor foi embora e gravou a música ele mesmo em 1960 e viu a faixa se tornar um grande hit. Elvis, certa vez, falou que Orbison tinha a voz mais bonita e expressiva da música popular. Por isso o Rei não se atreveu a gravar qualquer música de Orbison. Dizia que nunca conseguiria fazer justiça ao poderia vocal do texano

Era cego?
Quando Orbison assinou com a gravadora Monument em 1960, finalmente explodiu. Algumas das canções que ele emplacou, além da já citada “Only The Lonely”, foram “Running Scared”, “Leah”, “In Dreams”, "It's Over", “Dream Baby”, “Pretty Paper”, a duradoura "Oh, Pretty Woman" e muitas outras.

Sempre de roupas negras e óculos escuros o tempo inteiro (muito achavam que ele era cego, o que não era verdade), ele causou um estranhamento na música pop. O fato de pouco se mexer no palco também pouco o ajudava.

Mas era a dramaticidade de Orbison que fazia estrago. Intenso, sua persona como letrista sempre o mostrava como um romântico sofredor ou perdedor, alguém que fugia do passado e era tomado pela culpa e pela paranoia em relação a tudo o que havia deixado para trás.

Os Beatles? Fãs, também
Os rapazes do Fab Four eram loucos por Orbison. Em 1963, eles apresentaram a recém-escrita "Please Please Me", para o produtor George Martin. Os músicos ingleses queriam gravá-la em um tempo lento e de forma dramática, como uma espécie de uma paródia/homenagem a Orbison.

Foi Martin quem aconselhou que o quarteto acelerasse o andamento. "Já existe um Roy Orbison", falou o produtor a eles. Posteriormente, os Beatles conheceram Orbison e excursionaram com ele e com a banda Gerry and The Pacemakers, amigos dos Beatles.

Tragédias tiraram Orbison da rota
Na segunda parte da década de 1960, a carreira de Orbison esfriou nos Estados Unidos, embora fosse ainda popular na Inglaterra, Europa e Austrália. O que o tirou de rota foram duas tragédias: a morte da esposa Claudette em 1966 e de dois filhos do casal em um incêndio em 1968.

Na década de 1970, Roy Orbison se manteve o tempo todo na estrada, mas o grande público que comprava discos infelizmente parecia ter se esquecido dele. Ele não conseguia colocar suas músicas nas paradas como fazia na década anterior. Gravou bons discos, mas ninguém dava bola.

Um retorno como ídolo cult
A sorte de Roy Orbison mudou radicalmente nos anos 1980. As canções dele entraram na trilha de vários filmes e seus discos começaram ser relançados.

Em Veludo Azul (1986), cultuado filme de David Lynch, o vilão maníaco Frank Booth, interpretado por Dennis Hopper, tinha “In Dreams” como tema e a inusitada exposição só ajudou o cantor.

Em 1988, o mundo era novamente de Roy Orbison. Ele foi homenageado no especial de TV Roy Orbison and Friends: A Black and White Night, que teve a participação de ícones como Bruce Springsteen, Elvis Costello, Bonnie Raitt, k.d. lang, Tom Waits, James Burton e outros.

Ele fez parte do supergrupo Traveling Wilburys ao lado de George Harrison, Bob Dylan, Tom Petty e Jeff Lyne, cujo álbum auto-intitulado foi muito bem recebido pelo público e crítica. Orbison então gravou o ótimo álbum Mystery Girl (que trouxe o hit “You Got It”), mas não viu o êxito do trabalho.

No dia 6 de dezembro daquele mesmo ano, em 1988, ele foi vitimado por um ataque cardíaco fulminante, aos 52 anos. Ironicamente ele era tão ou até mais popular em relação ao auge que teve no começo dos anos 1960.

Logo após a morte do cantor, a Rolling Stone USA dedicou a ele uma capa, publicando uma entrevista inédita de Orbison. Dois anos depois, o filme Uma Linda Mulher, estrelado por Julia Roberts e Richard Gere, usou “Oh, Pretty Woman” como tema e Orbison estava novamente na boca do povo.