Integrante da banda Pussy Riot tem exigências atendidas e encerra greve de fome

Ela, que chegou a ser hospitalizada nesse período, declarou a greve de fome depois que foi proibida de ir a uma audiência de pedido de liberdade condicional

redação Publicado em 01/06/2013, às 14h18 - Atualizado às 14h28

Pussy Riot
AP

Após uma semana e meia, chegou ao fim neste sábado, 1º, a greve de fome de Maria Alyokhina (à esquerda, na foto), uma das três integrantes da banda Pussy Riot que foram presas por causa de um protesto contra o presidente Vladimir Putin. As informações são da agência Reuters. Maria, de 25 anos, ficou sem comer desde a última quarta, 22, quando as autoridades a impediram de ir a uma audiência de pedido de liberdade condicional. Com a saúde debilitada, ela chegou a ser hospitalizada.

A advogada, dela Irina Khrunova, afirma que uma série de exigências foram atendidas pelas autoridades russas, por isso o protesto chegou a fim. Os carcereiros da prisão tinham mudado o sistema da cadeia de modo a obrigar os prisioneiros a esperar por escolta e isso estava fazendo com que os outros detentos se voltassem contra Maria, segundo ela. Agora, segundo a defesa de Maria, as exigências de segurança foram relaxadas.