Integrante do Pussy Riot é hospitalizada após uma semana de greve de fome

Segundo Nadezhda Tolokonnikova, ela foi ameaçada de morte por agentes da prisão e decidiu parar de comer

Rolling Stone EUA Publicado em 30/09/2013, às 10h34 - Atualizado às 19h16

Pussy Riot
AP

Nadezhda Tolokonnikova, integrante do grupo punk russo Pussy Riot, foi hospitalizada após uma semana de greve de fome. De acordo com o marido da ativista, ela foi levada ao hospital da prisão na noite do domingo, 29. As informações são da agência Associated Press.

Galeria - Música versus religião: 15 clipes que retratam (e polemizam) os dogmas da igreja.

Nadezhda começou a greve de fome na semana passada, para protestar contra as condições de trabalho desumanas impostas na prisão russa onde ela está encarcerada. Ela também disse que um funcionário a ameaçou de morte.

“Eu vou fazer isso [greve de fome] até que a administração comece a obedecer à lei e pare de tratar as encarceradas como gado”, declarou ela, em nota distribuída pelo marido, na semana passada.

Os advogados de Nadezhda estão proibidos de falar com ela ou visitá-la desde quinta-feira, 26.

Ela e as companheiras de banda foram sentenciadas a dois anos de prisão em agosto de 2012, depois de promover o que elas chamaram de “oração punk” conta o presidente do país, Vladmir Putin, dentro da principal catedral de Moscou.

Nadezhda e Maria Alyokhina deverão ser liberadas em março. A terceira integrante, Yekaterina Samutsevich, conseguiu ser colocada em liberdade em 2012.