Integrante do Pussy Riot encerra greve de fome em prisão na Rússia

Nadezhda Tolokonnikova critica condições de trabalho e afirma que foi ameaçada de morte

Rolling Stone EUA Publicado em 01/10/2013, às 13h59 - Atualizado em 02/10/2013, às 13h15

Nadezhda Tolokonnikova (Pussy Riot)
AP

Nadezhda Tolokonnikova, uma das duas integrantes do Pussy Riot presas na Rússia, encerrou a greve de fome que já durava nove dias, segundo informou o serviço penitenciário do país à agência Associated Press. No domingo, 29, ela foi levada para o hospital mas já tem condição estável.

Galeria - Música versus religião: 15 clipes que retratam (e polemizam) os dogmas da igreja.

Tolokonnikova protestava contra as condições desumanas de trabalho na colônia penal onde atualmente cumpre dois anos de sentença. Ela alega que jornadas de 16 horas não estão de acordo com a lei russa. Ela também afirmou que foi acusada de morte por um funcionário.

Em carta aberta divulgada por seu marido, Tolokonnikova afirmou: “Vou fazer isto até a administração começar a obedecer as leis e parar de tratar mulheres encarceradas como gado”.

Tolokonnikova e suas colegas de Pussy Riot foram consideradas culpadas em agosto do ano passado por organizarem o que elas chamaram de “oração punk” dentro de uma igreja de Moscou contra o presidente Vladimir Putin. Maria Alyokhina também está presa – as duas serão libertadas apenas em março de 2014. Já Yekaterina Samutsevich já está em liberdade.