Pulse

Integrantes do Rage Against the Machine confirmam o supergrupo Prophets of Rage

Além de Tom Morello, Tim Commerford e Brad Wilk, banda conta com Chuck D e DJ Lord, do Public Enemy, e B-Real, do Cypress Hill

Redação Publicado em 31/05/2016, às 14h27 - Atualizado às 14h50

Tom Morello (Rage Against the Machine) e Chuck D (Public Enemy) na premiação do Grammy de 2013
Jordan Strauss/AP

Após muita especulação e rumores de um possível retorno do Rage Against the Machine, foi anunciado oficialmente nesta terça, 31, um novo supergrupo. Chamada Prophets of Rage, a banda conta com o trio instrumental do Rage Against the Machine junto a integrantes de Public Enemy e Cypress Hill.

O Prophets of Rage é formado por três quartos do RATM – o guitarrista Tom Morello, o baixista Tim Commerford e o baterista Brad Wilk – e completado por dois membros do Public Enemy, o rapper Chuck D e o DJ Lord, além de outro rapper, B-Real, do Cypress Hill.

LEIA TAMBÉM

[Galeria] As 15 separações mais conturbadas do rock

[Arquivo] Lembre como foi o show do Rage Against the Machine no SWU 2010

O único integrante do Rage Against the Machine a não integrar o novo grupo é o vocalista Zack de la Rocha, que não está envolvido com o projeto. Entretanto, em entrevista à Rolling Stone EUA, Commerford comentou: “Falei com Zack e tive o apoio dele. Somos uma família e há apoio de todos os lados. Apoio ele em qualquer coisa que ele fizer e vice-versa.”

O Prophets of Rage faz o show de estreia na noite desta terça, 31, no Whiskey a Go-Go, em Los Angeles. O sexteto vai tocar músicas dos três grupos de origens dos integrantes, mas também canções inéditas e doará toda a renda da apresentação para a instituição PATH, que trata de pessoas sem teto.

Na mesma entrevista à Rolling Stone, Morello revelou que o Prophets of Rage já tem uma canção original, “The Party Is Over”, descrevendo-a como “uma colaboração absolutamente ‘do zero’”. Em e-mail enviado a fãs cadastrados, a banda afirmou: “Não podemos mais ficar à margem da história. Tempos perigosos demandam músicas perigosas. É hora de retomar o poder.”

“É impossível substituir Zack e nós não estamos tentando fazer isso”, disse Commerford à RS EUA. “São pessoas as quais eu sei que ele admira, idolatra e nas quais ele se inspira. Vamos ligar os microfones e ver o que eles podem fazer com essas músicas, porque no fim das contas, trata-se das canções. Estas canções são necessárias agora, elas realmente são.”

O Prophets of Rage surgiu inicialmente com um site secreto, o ProphetsOfRage.com, que continha uma contagem regressiva que se encerrou em 31 de maio (após o anúncio do supergrupo, há uma nova contagem no site). Na ocasião, o público fez uma ligação da mensagem do site com alguns pôsteres espalhados por Los Angeles.

A página virtual ainda exibiu a hashtag “#TakeThePowerBack”, nome de uma música do Rage Against the Machine e, para quem se inscreveu com o e-mail, as frases “Clear the way for the prophets of rage” (“Abra caminho para os profetas da fúria”) e “The Party’s Over Summer 2016” (“A festa acabou verão 2016”, em tradução livre).

Uma das frases (“Clear the way for the prophets of rage”) fazia referência a um verso da música “Prophets of Rage”, lançada pelo Public Enemy em 1988, no álbum It Takes a Nation of Millions to Hold Us Back. Além disso, na ocasião, Chuck D foi ao Twitter e publicou um vídeo ao vivo do Rage Against the Machine tocando “Bulls On Parade”, em Londres, em 2010.

O site gerou tanto reboliço que quase saiu do ar, despertando o interesse de nomes como Nikki Sixx e Questlove, entre outros. O site Cleveland.com chegou a publicar (erroneamente) que o Prophets of Rage tratava de um show de reunião do Rage Against the Machine em um evento de oposição ao candidato à Presidência dos Estados Unidos, Donald Trump.

O último show do Rage Against the Machine aconteceu há quase cinco anos, no festival organizado pela banda L.A. Rising, no Los Angeles Memorial Coliseum, nos Estados Unidos. Entre 2001 e 2007, os integrantes do grupo (com exceção do vocalista, Zack de la Rocha) se juntaram a Chris Cornell, do Soundgarden, formando o Audioslave e gravando três discos.

Após a reunião, em 2007, o Rage Against the Machine ainda tocou no festival brasileiro SWU, em 2010, em um show marcado pelas interrupções devido à grande movimentação do público (lembre como foi).