Jack White é só amor no Grammy

O roqueiro conta dos novos lançamentos da Third Man Records

Steve Baltin Publicado em 11/02/2013, às 14h08 - Atualizado às 14h50

Jack White concorria em diversas categorias, mas não levou nenhum troféu para casa. Fez, no entanto, uma das apresentações mais marcantes da noite com "Love Interruption" e "Freedom at 21"
AP

Jack White tem admiradores em todos os gêneros musicais. No tapete vermelho do Grammy, Tyler, the Creator se transformou em um fã deslumbrado ao ver White, pedindo a um agente que arranjasse dos dois serem apresentados e aguardando enquanto White passou por todo o processo fotográfico com a mídia só para poder apertar a mão do indicado ao Grammy.

Perfil: o estranho mundo de Jack White.

Para White, esse tipo de conexão que ultrapassa os limites dos gêneros é o que torna o Grammy especial. “Isso que é tão legal nisso aqui. Sempre amei isso. Nunca fui esse tipo de pessoa de um gênero só. Eu gosto de toda a música e quando você é exposto a ela de formas diferentes, é isso que é lindo em uma noite como essa. Não é uma competição – trata-se de ouvir todo mundo, de todos os campos, mostrando seu trabalho”, ele disse à Rolling Stone EUA.

È basicamente no papel de fã que White está trabalhando ultimamente na sua Third Man Records, incluindo a produção de um single com três músicas ao lado do vocalista do Butthole Surfers Gibby Haynes. White se disse um pouco frustrado com a maneira como seu envolvimento no trabalho foi representado. “Vou começar a tirar meu nome das coisas porque eu produzo tipo 45 segundos e aí noticiam como ‘Jack White lança disco com vocais de Gibby Haynes’. Não é nada justo”, ele disse.

Como produtor, ele ainda tem outro single saindo, com um cover de Tom Waits, mas ele não quis revelar quem é o artista faz uma versão de “Bad As Me”.