John Lydon: "Me perdoe, Deus, pelo dia em que incluí Sid no Sex Pistols"

Frontman do Sex Pistols diz se arrepender de ter chamado Sid Vicious para a banda, pois o baixista perdeu "o melhor aspecto de sua personalidade, que era seu humor"

Da redação Publicado em 15/12/2009, às 11h38

John Lydon carrega há mais de três décadas um peso na consciência: ter trazido ao Sex Pistols o infame baixista Sid Vicious. "Me perdoe, Deus, pelo dia em que incluí Sid na banda", disse ao jornal britânico The Independent o frontman do Sex Pistols, Lydon, mais conhecido como Johnny Rotten.

Fã devotado e amigo de Lydon, Sid Vicious, codinome de John Simon Ritchie, se juntou ao grupo de punk em fevereiro de 1977, com a saída do baixista Glen Matlock. Oito meses depois, a banda lançou seu primeiro e último álbum de estúdio, o icônico Never Mind the Bullocks, Here's the Sex Pistols.

Sid Vicious morreu em fevereiro de 1979, de overdose, cinco meses depois da violenta morte de sua namorada, Nancy Spungen, esfaqueada. Choveram suspeitas de que Sid, em delírio provocado por narcóticos, teria sido o autor do assassinato.

Lá pelo meio da longa matéria do Independent (clique aqui para ler), Lydon reflete sobre a passagem de Sid Vicious no Sex Pistols. "Ele se sentiu tão isolado, o pobre coitado do Sid, porque ele não era a faca mais afiada do bloco", afirma, depois de lamentar a imersão do baixista no mundo das drogas, em especial a heroína. "O melhor aspecto de sua personalidade, que era seu humor, apenas evaporou no dia em que ele chegou no Sex Pistols."

Dos anos 90 para cá, os Sex Pistols originais (com Matlock de volta ao posto de baixista) se reuniram para shows esporádicos. Atualmente, Lydon engaja-se com a reunião de outra banda: a Public Image Ltd, que montou logo após a ruptura do Sex Pistols e que fará miniturnê a partir desta quarta, 15, no Reino Unido.

Em matéria publicada na Rolling Stone Brasil em 2007, lembra-se que Sid costumava caçoar de John. "Você vai passar o resto da vida com gente chegando e perguntando se você não tinha sido o Johnny Rotten", ele dizia. O que o Lydon dos anos 00 relata: "Já teve gente que chegou para mim e perguntou se eu não era aquele que tinha morrido. E a minha resposta é sempre sim".

Na mesma entrevista do Independent, Lydon se diz irritado com novas bandas. A matéria, por exemplo, cita Red Hot Chili Peppers, Massive Attack e Prodigy como herdeiros do som punk da banda. "Ainda escuto lançamentos que imitam nosso estilo, mas eles não nos dão crédito."

Se ele se sente orgulhoso de ter inspirado toda uma geração de músicos? Não exatamente, o que Lydon deixa claro num comentário particularmente crítico a Liam Gallagher. "Não! Fico um pouco irritado, porque nunca fiz nada na vida para ser parecido com alguém. Oasis me irrita, sabe? A voz me irrita. Ele poderia ter inventado sua própria coisa."