Soul e simpatia

Joss Stone encantou o público em show neste domingo, 22, em sua segunda passagem por São Paulo

Por Paulo Cavalcanti Publicado em 23/11/2009, às 15h20

Joss Stone ganhou fama e fortuna ao dar uma roupagem mais jovial à soul music. Ela esteve aqui no ano passado e agradou. Esta segunda passagem pelo Brasil teve ainda mais frisson, com muita gritaria e gente ansiosa para ver de perto a inglesinha de 22 anos. Foi o que aconteceu no HSBC Brasil, em São Paulo, na noite de domingo, 22.

Infelizmente, antes da apresentação de Joss, o público teve que aguentar um show confuso e sem ritmo de Ana Cañas. Ela cantou algumas de seu novo disco e fechou com um cover deslocado de "Rock and Roll", do Led Zeppelin. Pelo menos a enrolação de Ana serviu para os atrasados chegarem ao HSBC e não perderem um segundo da perfomance de Joss. A estrela só subiu ao palco depois das 21h30. Para não deixar dúvida que o show ia ter um alto astral, ela abriu logo de cara com o hit "Super Duper Love", música de The Soul Sessions, disco de 2003 que lançou a cantora, na época com apenas 16 anos, ao estrelato.

Trajando um vestido branco e um pouco mais magra, Joss estava excessivamente animada e algumas vezes tinha que se controlar para não dar risada e estragar a introdução das músicas. Obviamente ela veio com o discurso de sempre, dizendo que o Brasil tinha a plateia mais calorosa do mundo, que ela estava muito feliz de estar aqui novamente, etc. Mas ela deve ter ficado contente mesmo, já que o público que lotou o HSBC sabia de cor as músicas de Colour Me Free, que acabou de chegar ao mercado brasileiro.

Do mais recente trabalho ela cantou "Free Me", "Could Have Been You", "Parallel Lines", "Big ol' Game" e "Lady". No meio do show, Joss entoou alguns trechinhos de "I Got The Feeling", de James Brown, e "Superstition", de Stevie Wonder - esta última, um dueto com um de seus cantores de apoio. Outros momentos muito esperados aconteceram quando ela mandou ver em "Chokin' Kind" e "Fell in Love With a Boy".

O bis teve "Dirty Man" (com direito a alguns tropeços na letra) e "No Woman No Cry", clássico de Bob Marley. O entusiasmo da plateia brasileira vai ficar eternizado. O show foi gravado e alguns trechos devem ser incluídos no novo DVD ao vivo de Joss, previsto para o ano que vem.