The Killers fala de violência e imigração na inflamada Land of the Free

Spike Lee dirigiu o clipe da nova música

Rolling Stone EUA Publicado em 14/01/2019, às 19h13

None
Brandon Flowers, vocalista do The Killers (Foto: Reprodução/Facebook)

O The Killers contrastam o “American Dream” com uma visão sombria e deprimente da vida norte-americana em sua nova música “Land of the Free”.
 
Brandon Flowers, o líder da banda, critica o muro fronteiriço proposto pelo presidente Donald Trump, o racismo institucional e o fracasso do país em mudar controle substancial de armas reforma.
 
Spike Lee dirigiu o clipe da música, que destaca as lutas e resiliência de famílias migrantes perto da fronteira dos Estados Unidos com o México. A banda deu ao cineasta o controle criativo completo do vídeo o qual ele filmou em algumas semanas no final de 2018.
 
O vocalista usa “the land of the free”, em português "a terra dos livres", como um refrão irônico, citando as injustiças que aparentemente não deveriam ocorrer em tal sociedade.
 
“When I go out in my car, I don’t think twice”, (Quando saio no meu carro, não penso duas vezes), ele canta sobre piano de estilo gospel e vocais de apoio grandiosos.

“But if you’re the wrong color skin, you grow up looking over both your shoulders” (Mas se você é da cor da pele errada, você cresce olhando para ambos os ombros”.
 
Depois, Flowers pergunta: “How many daughters, tell me how many sons, do we have to put in the ground before we just break down and face it? We’ve got a problem with guns.”(Quantas filhas, me diga quantos filhos, nós temos que colocar no chão antes de quebrarmos. e enfrentá-lo? Nós temos um problema com armas).  
 
Perto do clímax da música, Flowers toca na promessa de campanha de assinatura de Trump. “Down at the border, they’re gonna put up a wall” (Na fronteira, eles vão colocar um muro), ele canta.
 
“Concrete and rebar steel beams/High enough to keep all those filthy hands off of our hopes and our dreams/People who just want the same things we do” (Vigas de concreto e vergalhões / Alta o suficiente para manter todas aquelas mãos sujas fora de nossas esperanças e nossos sonhos / Pessoas que só querem as mesmas coisas que nós).

Em uma declaração no Facebook sobre "Land of the Free" – a primeira música do The Killers desde o quinto disco, Wonderful, Wonderful, de 2017 – Flowers disse que a letra se originou após o tiroteio em Sandy Hook.

“No dia 14 de dezembro de 2012, acordei, desbloqueie meu telefone e, como muitos outros, vi os pedidos para 'Orar por Sandy Hook'”, escreveu ele.
 
“A notícia foi devastadora. Um soco no estômago. Mas, infelizmente, ainda mais chocante que o normal. Como pai, nunca compreenderei completamente o que essa comunidade e esses pais passaram. Mas minha educação na igreja me ensinou a chorar com aqueles que choram e eu fiz da melhor maneira que eu sabia. Eu chorei por essas crianças e professores. Eu fiquei de joelhos e orei por essas famílias.”
 
"Nós desonramos nossos valores, nossos antepassados ​​e nossa herança quando jogamos gás lacrimogêneo em nossos irmãos e irmãs que procuram asilo", continuou Flowers.
 
“Eu vejo minha família nos rostos dessas pessoas vulneráveis. Afinal, não faz muito tempo que minha avó e sua família imigraram da Lituânia para escapar da opressão nos Estados Unidos. Eles escolheram deixar tudo o que sabiam para vir para nosso país e trabalhar em empregos extenuantes em minas de carvão perigosas, em vez de resistir a tirania em casa”.

Assista ao vídeo de "Land of the Free".