Lances pela EMI são bem mais baixos do que o esperado

O Citigroup poderá adiar o leilão da gravadora para esperar que o mercado se recupere

Matthew Perpetua Publicado em 18/10/2011, às 10h43 - Atualizado em 19/10/2011, às 12h33

Katy Perry levou dois prêmios no VMA: o de clipe do ano ("Firework") e o de melhor colaboração ("E.T.", com Kanye West)
AP

Os lances para comprar o EMI Group, a grande gravadora que controla o catálogo de Beatles, Pink Floyd, Katy Perry e Radiohead, entre muitos outros, têm sido bem mais baixos do que o esperado. Especialmente após a venda por US$ 3,3 bilhões (cerca de R$ 5,9) da gravadora rival, Warner Music Group, em maio. As informações são do site do jornal New York Times.

A EMI foi comprada pelo Citigroup em fevereiro. O conglomerado de serviços financeiros, então, diminuiu US$ 3,5 bilhões (R$ 6,207 bilhões) das dívidas da empresa, antes de colocar a gravadora no mercado, em junho.

Até agora, quatro dos cinco grupos que deram lances em todas as partes da EMI eram outras empresas do ramo da música. Tanto a Warner quanto o Universal Music Group fizeram ofertas para comprar a divisão de música gravada da EMI, enquanto a Sony e a BMG Rights Management deram lances na parte de publishing da EMI.

De acordo com o Times, a escala de lances para as respectivas unidades têm sido entre US$ 1 e US$ 2 bilhões (entre R$ 1,774 e R$ 3,547 bilhões) e ofertas pela empresa inteira têm sido mais baixas do que o Citi conseguiria dividindo a EMI em duas metades. Apesar do fato de que a última rodada de lances foi ofertada à EMI no início deste mês, o Citi pode optar por adiar o leilão até que melhore a situação do mercado.