Maria Gadú exalta a cultura indígena em nova música e clipe "Mundo Líquido"

Após um hiato de quatro anos, a artista brasileira renasce seu projeto musical nas águas do Rio Negro na Amazônia

Nicolle Cabral Publicado em 23/04/2019, às 08h00

None
Maria Gadu (Foto: Lua Leça / Divulgação)

Em imersão nas águas do Rio Negro, Maria Gadú se debruça nas origens da ancestralidade indígena e gera seu mais novo projeto "Mundo Líquido", lançado nesta segunda, 22.

O single também ganhou um videoclipe gravado no íntimo da biodiversidade amazônica.

+++ Solta o riff! Rolling Stone Brasil vai premiar o melhor riff com prêmios exclusivos no Instagram 

 


"Mundo Líquido"
põe fim ao hiato de quatro anos da cantora, desde o seu último projeto autoral Guelã em 2015. Embasado no retorno às origens ancestrais da cultura indígena, Gadú, em um sensível chamado, clama pela memória e pela força histórica do povo brasileiro, como destacado no verso abaixo:

 

 

Vou debruçar meu caráter / No Negro Rio mata híbrida / Quero contar aos meus filhos / Sobre um mergulho fantástico

 

 

Com Maria Gadú (voz, violão, guitarra e synth), Ana Karina Sebastião (baixo) e Felipe Roseno (percussão), "Mundo Líquido" foi gravada a bordo da expedição Katerre e seduz a atenção com os fluídos sons da natureza e o canto do povo Guajajara.

Já o clipe, que incorpora a simbologia e as cores da floresta Amazônica, flerta com o feminino e com a noção do espaço ser emergido por meio da cultura indígena e a natureza.

Confira "Mundo Líquido" aqui:

Letra de "Mundo Líquido" por Maria Gadú: 

Mundo líquido peixe
A vida de olhos abertos
No planeta das águas
Qualificam-se maravilhas

Quem revela os mistérios
E os rumos dos seres aquáticos
Suas naves famílias
E o agudo mais grave das ondas

Vou povoar em sentidos
O negro mar bóia hídrica
Vou ver Iara Amazônica
E seu cardume de náufragos

Vou debruçar meu caráter
No Negro Rio mata híbrida
Quero contar aos meus filhos
Sobre um mergulho fantástico

+++ Entrevista RS: Di Ferrero fala sobre música pop, vida pós-NX Zero e projeto engavetado com Emicida: