Marilyn Manson processa mulher que diz ter sido noiva dele

Segundo o músico, Seraphim Ward o acusa de ser "pró-nazismo" e o assedia há meses

Redação Publicado em 30/01/2013, às 09h41 - Atualizado às 13h43

Marilyn Manson

O cantor no Revolver Golden Gods Award Show, em abril de 2012. Em 2010, ele já ostentava um corte semelhante.
AP

Marilyn Manson entrou com um processo judicial contra Seraphim Ward por assediá-lo há meses e por se dizer falsamente noiva dele, de acordo com informações do The Hollywood Reporter.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

O músico pede US$ 50 mil (cerca de R$ 100 mil) por difamação, apropriação indevida de imagem, uso ilegal do nome dele para vantagens comerciais, imposição intencional e sofrimento emocional.

A queixa foi oficializada na última terça-feira, 29, em Los Angeles. Nela, Manson alega "meses de uma campanha de difamação e assédio" por parte de Seraphim, uma "musicista e diretora de filmes independentes" cujo nome real é Yolanda Tharpe.

Manson diz não conhecer a mulher, que publicou em seu website pessoal que ambos tinham um relacionamento. Ela chegou, inclusive, a enviar ao site TMZ uma carta assinada pelos advogados do músico que pediam para que ela desistisse da causa.

Seraphim diz que ele recusou a casar-se com ela porque é "pró-nazismo" e "não queria ser visto com uma mulher como ela", que, segundo o i>THR, é afroamericana. Ela ainda diz que Manson é "responsável pela morte dos seus dois gatos" e que ele a "está perseguindo".