MGMT e Rihanna estão no novo álbum de Jay-Z

The Blueprint 3 será lançado em 11 de setembro e será álbum "maduro", afirmou o rapper

Da redação Publicado em 23/07/2009, às 21h11

O duo indie MGMT e Rihanna constam entre os artistas que darão uma canja em The Blueprint 3, novo álbum de Jay-Z, informou o jornal britânico The Guardian. "Run This Town", single que conta com vocais da cantora e de Kanye West, um dos produtores do disco, deverá ser lançado nesta sexta, 24.

O disco, 11º em sua carreira, será liberado em 11 de setembro, exatos oito anos após o primeiro volume da trilogia, que chegou às lojas no mesmo dia do ataque ao World Trade Center. O rapper norte-americano também contará com a banda britânica Mr Hudson (parte do G.O.O.D. Music, selo de Kanye West, que ajudou a produzir The Blueprint 3) e dois atores-rappers conterrâneos de Jay-Z: Drake e Kid Cudi.

O novo trabalho é diverso e "maduro", o artista disse à agência de notícias Reuters, ao considerar o tempo passado desde o The Blueprint. "Se você é um rapper de 30 anos ainda tentando fazer música como se tivesse 15, então você está sendo estreito. Na minha idade, não posso me equiparar a um [jovem] de 15. Lido com tópicos maduros e relevantes para minha faixa etária." Ele completará 40 anos em dezembro.

Para chegar à sonoridade "madura e relevante", Jay-Z convocou ainda os produtores No ID e Timbaland. Mas é West quem ganha mais cafunés do rapper. "[Ele] é, de fato, o pai da próxima geração", afirmou. "Ele é da escola de Q-Tip, e agora Drake e Kid Cudi são da escola de 'Ye [Kanye]. E, quando você olha para Kanye, você precisa olhar para Lil Wayne. Penso que eles são Kobe Bryant e LeBron James", disse, em referência à dupla de jogadores da NBA, a liga norte-americana de basquete.

Na faixa "D.O.A.", que teve clipedivulgado em junho, Jay-Z prega a "morte do Auto-Tune" - processador de voz que conserta imperfeições no vocal e nos instrumentos.

Segundo o rapper, a ideia do manifesto teria partido de West - ele mesmo usuário do Auto-Tune. "Quando [Kanye] escutou a batida [de D.O.A.], disse: 'Cara, isso é tão duro! Vai contra tudo. Sem Auto-Tune. Nada desse tipo de coisa!" O problema, para Jay-Z, não é o método em si - mas a falta de bom senso para saber quando é hora de parar. "No hip-hop, nosso trabalho é, quando algo vira tendência, se livrar disso. Fazemos isso desde o começo dos tempos."