Michael Jackson faz 50 anos

Cantor diz que se sente "sábio, mas ao mesmo tempo muito jovem" em seu aniversário

Da redação Publicado em 29/08/2008, às 09h36 - Atualizado em 30/08/2008, às 11h41

Jackson, em plena forma, em 1996: em seu aniversário de 50 anos, filhos eram prioridade
AP

Michael Jackson completa 50 anos nesta sexta-feira, 29. Em entrevista ao programa de TV norte-americano Good Morning America, o cantor afirmou que pretende celebrar a data ao lado de seus três filhos - Prince Michael, Paris Michael e Prince Michael II.

O "rei do pop" falou por telefone de sua casa na Califórnia. De acordo com o site britânico Gigwise, Michael passou a maior parte da entrevista discorrendo sobre sua prole - mas também contou que ainda gosta muito de compor.

"Eu escrevo o tempo todo. Amo compor. Porém, estou criando meus filhos e curtindo isso, ensinando-os a andar de bicicleta e a ler", disse, lembrando que quer proporcionar às crianças a infância que ele nunca teve.

Além de continuar compondo, Jackson afirmou que pretende sair novamente em turnê, mas não deu detalhes sobre o futuro de sua carreira. "Eu sempre amei o show business e sempre gostei de fazer as pessoas felizes por meio dele. Amo a celebração da música, e dança, e arte. Simplesmente amo", completou.

Recentemente, uma faixa produzida pelo cantor em parceria com o rapper Akon vazou na internet. Ouça aqui. David Guest, produtor e ex-marido da cantora Liza Minelli, afirmou também ter trabalhado com Jackson em estúdio, musicando poemas de Robert Burns. Saiba mais.

45 anos de carreira

Michael Joseph Jackson nasceu na cidade de Gary, nos Estados Unidos. A carreira musical começou cedo: Michael entrou para o Jackson 5 aos cinco anos de idade. Ao lado de quatro irmãos mais velhos (a família era composta por nove filhos), o cantor mirim emplacou sucessos como "I Want You Back", "ABC", "The Love You Save" e "I'll Be There" no topo da parada da Billboard entre 1969 e 1970. O grupo era empresariado pelo pai, Joe Walter (no livro The Moonwalker, sua autobiografia, Michael afirma que ele e os irmãos sofriam abusos físicos e psicológicos de Walter).

Em 1972, aos 14 anos, Michael gravou Got to Be There, seu primeiro disco solo, lançado pela Motown (mesma gravadora do Jackson 5) e produzido sob influência do pai e dos irmãos. Após mais três álbuns pela gravadora, Jackson foi contratado pela Epic. Off the Wall, seu primeiro trabalho sem vínculos com a família, foi lançado em 1979. Quatro músicas chegaram ao Top 10 da Billboard; duas delas, "Don't Stop 'til You Get Enough" e "Rock With You", alcançaram o primeiro lugar.

Dez anos depois de seu primeiro disco solo, Jackson lançou Thriller, o maior sucesso de toda sua carreira - e um dos maiores recordistas da indústria da música. O álbum ficou 37 semanas seguidas no topo da parada de vendas de discos norte-americana, e hoje continua, segundo dados não oficiais, no topo da lista dos mais vendidos. A gravadora afirma que mais de 100 milhões de cópias foram adquiridas ao redor do mundo (o Livro dos Recordes marca 65 milhões de unidades).

Além do sucesso fonográfico (ele ganhou 8 prêmios Grammy pelo álbum), Jackson quebrou os parâmetros da produção de videoclipes com "Thriller". Uma versão editada do clipe da faixa (um curta de 14 minutos) era transmitida duas vezes por hora na MTV para suprir a demanda de pedidos dos telespectadores. Saiba mais sobre o álbum, a edição especial de 25 anos lançada no último mês de março e o vídeo.

Depois de Thriller, Jackson lançou mais quatro álbuns de inéditas: Bad (1987), Dangerous (1991), HIStory (1995, coletânea com 14 músicas novas) e Invincible (2001).

No entanto, em meados da década de 90, Michael passou a ser "caçado" pela imprensa não pela música, mas por polêmicas envolvendo casos na justiça. Em 1993 (ano em que Michael foi eleito "lenda viva" no Grammy), o cantor foi acusado de pedofilia pela família de um garoto de 13 anos; dez anos depois, outro menino, da mesma idade, também afirmou ter sofrido abusos do cantor. Jackson foi inocentado de todas as acusações em ambos os casos.