Monsters of Rock 2015: um Paul Stanley aquém da capacidade comanda o Kiss no encerramento do festival

Banda acrescentou “Parasite” no repertório do show de São Paulo

Lucas Brêda Publicado em 27/04/2015, às 00h19 - Atualizado às 15h27

Kiss no Monsters of Rock 2015

Ver Galeria
(23 imagens)

O Kiss dos últimos anos está cada vez mais próximo de ser uma empresa – fato que nem os próprios integrantes escondem. O quarteto maquiado bolou uma fórmula de show construída nos mínimos detalhes como um produto para entreter. No encerramento do Monsters of Rock 2015, a performance manjada foi praticamente repetida e não falhou em chegar ao resultado esperado.

Ozzy Osbourne deixa o público brasileiro de joelhos no Anhembi.

“Praticamente repetida” porque a banda adicionou uma canção no setlist de São Paulo, em relação às outras cidades brasileiras pelas quais passou e ao repertório base de shows. A música foi “Parasite”, agradável e solitária surpresa, que não teve tanto respaldo do público.

De resto, esteve tudo lá: Gene Simmons soltando fogo em “War Machine” e cuspindo “sangue” antes de “God of Thunder”; Tommy Thayer solando e disparando explosivos de sua guitarra; Paul Stanley “voando” para o meio do público, de onde cantou “Love Gun” e deu início a “Black Diamond” – esta, cantada pelo baterista Eric Singer.

Manowar faz ode à guerra e à morte para séquito de fãs.

Stanley, à propósito, deixou a clara sensação de estar aquém de sua capacidade vocal. Nas três primeiras canções, “Detroit Rock City”, “Creatures of the Night” e “Psycho Circus”, as falhas e a rouquidão ainda não eram tão perceptíveis.

Já em faixas como “Love Gun” e “I Was Made for Lovin’ You” (com os emblemáticos falsetes sem nenhuma potência), tocadas mais ao fim do show, a falta de precisão vocal foi comprometedora.

Sem se prender ao passado, Accept mostra força do metal alemão no fim de tarde.

Até mesmo nos momentos de ousadia permitidos pelas músicas, Stanley se poupou de arriscar, cantando de forma segura, às vezes se afastando do microfone ou deixando para a plateia o dever de entoar os versos. O frontman, sempre carismático com seus trejeitos, também soou distante do que já foi: repetiu vocativos como “São Paulo”, e frases como “Vocês são demais!” até cansar.

Em um festival predominantemente metaleiro, os petardos distorcidos do Kiss – em sua maioria cantados por Simmons – soaram mais apropriados e foram os pontos altos do show. Canções como “Deuce”, a própria “Parasite”, e “Calling Dr. Love”, parecem nunca ter saído dos anos 1970.

Primeiro “monstro” do festival, Judas Priest fez show seguro e grandioso.

Outra que cresce no setlist é "Black Diamond", música que encerrou a apresentação antes do bis, cantada pela garganta em plena forma do baterista Eric Singer.

Durante a uma hora e meia (o show atrasou entre 40 e 50 minutos, e chegou ao fim quando já era quase 1h da segunda-feira) entre a introdução no som mecânico com “Rock and Roll”, do Led Zeppelin, e o papel picado jogado depois de “Rock and Roll All Nite”, o Kiss fez o que sabe fazer melhor, sem muito esforço para isso.

Virtuose sueco Yngwie Malmsteen traz "metal ostentação" ao festival.

Enquanto agente proporcionador de entretenimento, o grupo segue soberano, com um espetáculo de arena muito bem calculado e ensaiado. Para uma banda de rock que já inspirou diversos jovens ao redor do mundo, assombrou conservadores radicais e pôs seu rosto (ou maquiagem) na história da cultura pop, falta espontaneidade, brio, emoção.

Seja pela previsibilidade ou pelo caráter comercial, a ausência de vibração do Kiss que encerrou o Monsters of Rock de 2015 faz parecer uma eternidade os 40 anos que separam o show no festival brasileiro do histórico álbum ao vivo Alive!.

Leia também