Morre o escritor italiano Umberto Eco, autor de O Nome da Rosa

Ele estava com 84 anos; causa da morte ainda não foi divulgada

redação Publicado em 19/02/2016, às 22h20 - Atualizado às 22h59

Umberto Eco
Luca Bruno/AP

De acordo com o jornal La Repubblica morreu nesta sexta, 19, aos 84 anos, o escritor italiano Umberto Eco, mais famoso pelas obras O Nome da Rosa e O Pêndulo de Foucault.

Segundo as informações divulgadas para a imprensa italiana por um familiar, o autor, filósofo, ensaísta, crítico e semiólogo estava em casa, em Milão, quando morreu às 22h30 (horário local), mas a causa da morte ainda não foi revelada.

O mais recente título lançado pelo escritor foi Número Zero, de 2015. Na obra, ele teceu uma série de críticas à manipulação de fatos no jornalismo. Em entrevista à agência EFE, à época, declarou: "Essa é a minha maneira de contribuir para esclarecer algumas coisas. O intelectual não pode fazer nada, não pode fazer a revolução. As revoluções feitas por intelectuais são sempre muito perigosas." Eco vinha fazendo declarações nos últimos anos a respeito dos problemas dos novos meios de comunicação e era extremamente crítico às redes sociais.

Um dos nomes mais respeitados do meio acadêmico, Eco era um grande estudioso de diversos temas, mas ficou realmente famoso com o romance O Nome da Rosa, que foi adaptado para o cinema em 1986 pelo diretor Jean-Jacques Annaud. Sean Connery estrelou o filme, que conta a história de um monge que passa a investigar uma série de mortes.

Nascido em Alexandria, no dia 5 de janeiro de 1932, Umberto Eco se mudou para a região montanhosa de Piemonte durante a Segunda Guerra Mundial.

Ele estudou e deu aula na Universidade de Turin e foi, ainda, editor de cultura no canal RAI. Em setembro de 1962, o escritor se casou com Renate Ramge, uma professora de arte com quem teve dois filhos. Há sete anos, era professor emérito e presidente da Escola Superior de Estudos Humanísticos da Universidade de Bolonha.