Netflix se exime de culpa por episódio de racismo em seleção de elenco para a série 3%

Com início das gravações marcado para 2016, trama é a primeira produzida inteiramente no Brasil pela empresa

Redação Publicado em 30/10/2015, às 14h46 - Atualizado às 16h39

Netflix
Reprodução

A Netflix e a produtora Boutique Filmes vieram a público esclarecer um polêmico e-mail com conteúdo racista que acabou vazando na internet nos últimos dias. O conteúdo faz parte da seleção de elenco da série 3%, a primeira produção brasileira promovida pela empresa de streaming.

“Precisamos de um ator jovem, na faixa dos 20/25 anos, muito bonito. A direção gostaria que ele fosse negro, então o ideal seria ter um ator negro e muito bonito, mas conscientes do grau de dificuldade, faremos teste também com os bons atores, lindos, que não sejam negros”, dizia parte da mensagem em questão.

Galeria - Brasileiros em Hollywood.

Tanto a Netflix como a Boutique se eximiram de culpa pelo ocorrido. A multinacional escreveu pelo Twitter: “O -mail sobre o teste de elenco de 3% foi enviado sem o conhecimento ou aprovação da Netflix e contradiz tudo em que acreditamos.”

Uma seleção das melhores estreias de séries no segundo semestre.

A empresa brasileira seguiu o mesmo caminho. “Como produtora responsável pela série 3%, estamos chocados com o e-mail enviado pela empresa terceirizada produtora de casting. A linguagem usada no e-mail é inaceitável e nunca foi aprovada por nós. O texto não representa nossa visão como empresa. Também não representa o espírito da série ou a orientação de casting, que busca retratar a diversidade da população brasileira.”

O blogueiro Maurício Stycer reproduziu um pedido de desculpas da agência de seleção A + Add Casting, que afirma que o e-mail em questão “Não condiz com a nossa conduta profissional e está longe das intenções que gostaríamos de passar” e que “Os profissionais envolvidos neste projeto não tiveram conhecimento do conteúdo deste e-mail”. Ao mesmo tempo, a empresa alega que o teor da mensagem “Foi equivocadamente mal interpretado como racista”.

A série 3% é a primeira produção realizada inteiramente no Brasil pela Netflix. Comandada por Cesar Charlone, diretor de fotografia de Cidade de Deus e O Jardineiro da Fiel e diretor de O Banheiro do Papa, a obra, que terá um enredo de "ficção social", deve começar a ser rodada no início de 2016, estreando no final do mesmo ano.

Segundo a revista Variety, trata-se de um thriller que se passa em um mundo nitidamente dividido entre progresso e devastação, no qual a única forma de se passar para o “lado bom” é através de um processo cruel, no qual apenas 3% dos candidatos têm sucesso.

Os atores Bianca Comparato, que participou da novela Avenida Brasil e fez parte do elenco de Somos Tão Jovens, filme biográfico sobre Renato Russo, e João Miguel, de Cinemas, Aspirinas e Urubus e Estômago, serão os protagonistas. Escrita por Pedro Aguilera e produzida pela Boutique Filmes, 3% será filmada com a tecnologia Ultra HD 4K.