Banda de Liam Gallagher toca “Champagne Supernova”, do Oasis, pela primeira vez; assista

Versão do Beady Eye para clássico da ex-banda do vocalista foi executada durante a turnê pelo Japão

Redação Publicado em 27/03/2014, às 10h04 - Atualizado em 28/03/2014, às 22h25

Beady Eye - Liam Gallagher
Jim Ross/AP

Enquanto todas as esperanças dos fãs de que o Oasis pudesse retornar se esvaem a cada insulto proferido pelos irmãos Liam e Noel Gallagher, o caçula da família tem mostrado que não é mais tão reticente às canções do ex-grupo.

Reuniões: 20 bandas que gostaríamos que voltassem.

Em turnê com o Beady Eye, no Japão, Liam surpreendeu o público de Osaka na última quarta-feira, 25, com uma versão de “Champagne Supernova”, um dos maiores clássicos do Oasis. A versão se repetiu no dia seguinte, ainda no Japão, em Yokohama.

Não é a primeira vez que Liam levou músicas do Oasis para os shows do Beady Eye. “Cigarettes & Alcohol”, “Rock 'n' Roll Star”, “Morning Glory”, “Wonderwall”, “Live Forever” e “Columbia” já entraram no repertório do grupo.

“Champagne Supernova”, escrita por Noel, aliás, saiu no disco (What's the Story) Morning Glory?, o segundo do grupo. O primeiro deles, Definitely Maybe, comemora 20 anos neste ano e criou-se uma expectativa, por parte dos fãs, de que o Oasis poderia se reunir para celebrar a segunda década do trabalho.

12 brigas históricas do rock and roll.

Paul Arthurs, guitarrista conhecido como Bonehead, disse em janeiro à NME que Liam Gallagher aceitaria se reunir com o irmão Noel para uma apresentação comemorativa. A reunião da banda que acabou em 2009, contudo, parece ainda bastante improvável, principalmente porque o irmão mais velho não parece estar disposto a voltar ao palco com o antigo grupo.

Em entrevista à Rolling Stone EUA, Noel afirmou que o aniversário do disco não seria capaz de colocá-lo ao lado de Liam no palco novamente. “Bom, teremos a inevitável edição de aniversário, imagino. Mas você está perguntando se a banda vai subir ao palco e se acabar de tocar “Rock 'n' Roll Star” em algum lugar, tipo as Filipinas ou algo assim?”, questionou ele. “A banda acabou, não existe mais. Não há mais banda. Então, não. Eu não me envolveria, de qualquer forma. Se acontecer uma reunião, eu não farei parte dela.”

As 15 separações mais conturbadas do rock.

Ouça a versão de “Champagne Supernova”, do Beady Eye: