Novo de Zé do Caixão vence em Paulínia

Encarnação do Demônio levou sete prêmios, inclusive o de melhor filme

Da redação Publicado em 14/07/2008, às 14h46 - Atualizado às 16h40

Cena de Encarnação do Demônio, de José Mojica Marins: volta do maior nome brasileiro do terror aos cinemas levou sete prêmios em Paulínia
Divulgação

O filme Encarnação do Demônio, a volta de Zé do Caixão aos cinemas depois de 40 anos, foi o grande vencedor do I Festival Paulínia de Cinema. A fita de José Mojica Marins levou sete prêmios, incluindo os de melhor filme pelo júri oficial - algo incomum para fitas de terror. O longa também ganhou nas categorias melhor longa-metragem (prêmio da crítica), melhor montagem (por unanimidade) e trilha sonora.

Leia matéria sobre Encarnação do Demônio publicada na RS de julho

Leia resenha do filme

Simonal - Ninguém Sabe o Duro que Dei foi eleito o melhor documentário pelo júri do evento. Selton Melo ganhou o prêmio de melhor diretor por Feliz Natal. Paulo José (Pequenas Histórias) foi escolhido como melhor ator; na categoria feminina, Claudia Abreu levou o prêmio por sua atuação em Os Desafinados.

Ao todo, foram 33 categorias. Os vencedores levaram prêmios em dinheiro, com valores entre R$8 mil e R$60 mil.

Veja abaixo a lista de vencedores escolhidos nas categorias eleitas pelo júri oficial do evento.

Melhor flme - Encarnação do Demônio, de José Mojica Marins Prêmio Especial do júri - Walter Lima Júnior, diretor de Os Desafinados Melhor diretor - Selton Melo (Feliz Natal)

Melhor ator - Paulo José (Pequenas Histórias)

Melhor atriz - Claudia Abreu (Os Desafinados)

Melhor ator coadjuvante - Ângelo Paes Leme (Os Desafinados)

Melhor atriz coadjuvante - Darlene Gloria e Graziella Moretto (Feliz Natal - por unanimidade)

Melhor roteiro - Helvécio Ratton (Pequenas Histórias)

Melhor fotografia - José Roberto Eliezer (Encarnação do Demônio - por unanimidade)

Melhor montagem - Paulo Sacramento (Encarnação do Demônio - por unanimidade)

Melhor edição de som - Ricardo Reis (Encarnação do Demônio)

Melhor direção de arte - Cássio Amarante (Encarnação do Demônio)

Melhor trilha sonora - André Abujamra e Marcio Nigro (Encarnação do Demônio)

Melhor figurino - Fabio Namatame (Onde Andará Dulce Veiga?)

Melhor documentário - Simonal - Ninguém Sabe o Duro que Dei - Cláudio Manoel, Calvito Leal e Michael Langer

Prêmios especiais - Documentários

Iluminados - Cristina Leal

Castelar e Nelson Dantas no País dos Generais - Carlos Alberto Prates Correia

Menção especial

Fabrício Reis por sua atuação em Feliz Natal, de Selton Melo