Novo disco de Kendrick Lamar bate recorde após ser tocado quase 10 milhões de vezes em um dia

To Pimp A Butterfly foi o álbum mais reproduzido em um único dia em todo o mundo, no Spotify

Redação Publicado em 18/03/2015, às 15h01 - Atualizado em 22/04/2015, às 17h24

O rapper Kendrick Lamar

Ver Galeria
(5 imagens)

To Pimp A Butterfly, o novo disco de Kendrick Lamar, tinha lançamento marcado apenas para o dia 23 de março, mas, de surpresa, ele chegou à internet na noite do último domingo, 15. Nas primeiras 24 horas em que esteve disponível, o álbum foi reproduzido mais de 9,6 milhões de vezes apenas no Spotify, batendo o recorde do serviço de streaming sueco.

Galeria: as dez maiores brigas da história do rap.

Na terça-feira, 17, a empresa anunciou o feito do rapper, que estabeleceu “um novo recorde mundial para o maior número de reproduções em um único dia, em todo o mundo”, conforme disse um assessor do Spotify ao LA Times.

A contagem que beira 10 milhões de audições leva em conta as reproduções por completo do disco To Pimp A Butterfly, que também está na loja virtual iTunes e nos outros serviços de streaming do mercado.

Análise: Kendrick Lamar rompe a mesmice do rap norte-americano com o inovador To Pimp A Butterfly.

Mais sobre To Pimp A Butterfly

A aparição antecipada nos serviços de música online foi a única surpresa do álbum. Era sabido que To Pimp A Butterfly não seria uma continuação de Good Kid M.A.A.D City, lançado em 2012. A teoria se confirmou e o rapper de Compton surge com um material completamente diferente da discografia dele.

Os melhores discos internacionais de 2014.

A produção executiva de Anthony Tiffith e Dr. Dre originou um trabalho que carrega a sonoridade de nomes como Flying Lotus (“Wesley’s Theory”) e Thundercat (“These Walls”), no entanto – e talvez aí esteja o grande mérito de To Pimp A Butterfly - o disco não poderia ser de nenhum outro artista que não Kendrick Lamar.

A solidez de Good Kid M.A.A.D City certamente colocou interrogações na mente de todos os fãs do rapper: o que vem a seguir? O nível será mantido? Felizmente, a resposta é afirmativa em ambos os casos. To Pimp A Butterfly provou tanto a capacidade criativa de Lamar quanto a manutenção de uma voz ímpar, de rimas extremamente pessoais e complexas.

Discos internacionais aguardados que serão lançados em 2015.

Outro ponto forte do disco é a discussão a respeito de questões raciais nos Estados Unidos. O caráter político das letras de Lamar não são novidade, pois desde Section.80, álbum de estreia do cantor, a violência policial é pauta. No entanto, o tom sobe em To Pimp A Butterfly, da desafiadora “The Blacker The Berry” até a sóbria “Mortal Man”, os versos do músico deixam clara a postura dele em relação aos abusos institucionais norte-americanos.

A capa do álbum, divulgada na última semana, complementa o conteúdo do registro: a voz de Compton deve ser ouvida, nem que ela tenha de invadir a Casa Branca.

"Don't all dogs go to heaven? Don't Gangsta's boogie? Do owl shit stank? Lions, Tigers & Bears. But TO PIMP A BUTTERFLY. Its the American dream nigga...." - lil Homie.

Uma foto publicada por Kendrick Lamar (@kendricklamar) em

Ouça To Pimp A Butterfly na íntegra: