Patrick Swayze morre aos 57 anos

Ator de Dirty Dancing e Ghost sucumbiu ao câncer pancreático, diagnosticado em 2008

Da redação Publicado em 15/09/2009, às 10h25

Patrick Swayze morreu, na noite de domingo, 13, após quase dois anos de batalha contra um câncer no pâncreas. Ele tinha 57 anos.

Dos passos de dança em Dirty Dance - Ritmo Quente (1987) aos potes de cerâmica de Ghost - Do Outro Lado da Vida (1990), o ator protagonizou momentos emblemáticos da cultura pop dos anos 80.

Swayze morreu ao lado da família, informou sua relações públicas, Annett Wolf, à mídia internacional. Há alguns dias, veio o anúncio de que ele trocaria o hospital pela casa, onde ficaria ao lado de sua mulher, Lisa Niemi, a quem conheceu na época do colégio de Houston, Texas, onde os dois cresceram.

Filho de coreógrafa e engenheiro (que também era caubói de rodeio), Swayze teve câncer diagnosticado duas semanas após estrelar o episódio-piloto da série The Beast, encomendada pelo canal norte-americano de TV a cabo A&E. O programa - focado num agente do FBI adepto de métodos controversos - foi ao ar de janeiro a abril, mas acabou cancelado depois de 13 episódios produzidos, devido à doença do protagonista.

Swayze foi aberto em relação ao câncer - inclusive sobre a opção de dispensar analgésicos durante as gravações do seriado, alegando que a medicina prejudicaria sua atuação. Enquanto isso, ele foi submetido a sessões de quimioterapia e tratamento experimental para combater o câncer.

"Estou orgulhoso do que estou fazendo", o texano disse ao jornal The New York Times em outubro. "Como você nutre uma atitude positiva quando todas as estatísticas dizem que você é um cara morto? Você vai lá e trabalha."

A carreira de Swayze começou em 1979, quando interpretou um patinador em Shaketown U.S.A.. Quatro anos depois, foi dirigido por Frances Ford Coppola em Vidas Sem Rumo, com Tom Cruise e Matt Dillon como companheiros de elenco.

As três indicações ao Globo de Ouro vieram nas categorias de melhor ator em comédia/musical: em 1988, por Dirty Dancing, em que interpretou o instrutor de dança Johnny Castle; Ghost, 1991, quando representou o fantasma do marido assassinado que aparece para a personagem de Demi Moore; e Para Wong Foo, Obrigada Por Tudo!, 1995. No último, ele deixa a pose de galã em banho-maria para interpretar uma das drag queens em trio completado por Wesley Snipes e John Leguizamo.

Em 1990, o revés: Swayze ganhou indicação ao Framboesa de Ouro, prêmio-galhofa dedicado às piores interpretações do ano, por Marcados Pelo Ódio.

De fato, o ator - votado homem mais sexy de 1991 pela revista People - manteve relativa distância do mainstream a partir dos anos 90. Disse, na época, estar "de saco cheio da mentalidade blockbuster de Hollywood". Ele teria, inclusive, rejeitado US$ 7 milhões (quantia astronômica para a época) para estrelar sequência de Dirty Dancing.

Os filmes cult deram sobrevida de 30 anos à sua carreira, disse Swayze, segundo matéria do London Daily Express, publicada no ano passado.

Entre as produções da atual década, no entanto, dois papéis lhe devolveram ao universo da dança - A Última Dança (no qual contracenou com sua mulher, Lisa) e uma ponta em Dirty Dancing: Noites de Havana.

Seu último filme, Powder Blue, em que contracenou com Jessica Biel e Ray Liotta, saiu em maio, diretamente em DVD.

Confira, no vídeo abaixo, a última entrevista do ator, concedida à emissora norte-americana ABC: