Pavilhão 9 faz música de gente grande para tempos de crise

“A gente alerta para as coisas que incomodam o cidadão comum, trabalhador”, afirma o rapper Doze; primeiro disco em dez anos tem retrospectiva da história da banda e nova formação

Lucas Reginato Publicado em 26/08/2017, às 18h30 - Atualizado às 18h33

Pavilhão 9
Roberto Salgado/Divulgação

O Pavilhão 9 tem qualquer característica que você possa considerar indispensável para uma lenda do underground. Entre o rap da zona sul e o hardcore do centro paulistano, a trajetória do grupo acompanha desde o fim dos anos 1980 a inquietação cultural de São Paulo e a vida política do país. Mudaram integrantes, mas o rapper Rhossi carregou sempre os mesmos sonhos e princípios, sendo sobrevivente das ruas e da indústria musical. Agora, depois de uma década de silêncio interrompido apenas por raríssimas apresentações, o reformulado Pavilhão 9 lança Antes Durante Depois. O disco não pretende apenas saciar antigos fãs, mas também alcançar uma nova geração que mal viveu aqueles anos 1990 e muitas vezes não está habituada a expressar indignação com o estado das coisas.

A faixa que abre o disco e lhe dá nome cumpre a função de apresentar tanto a história como a proposta da banda. “Antes durante depois, o que mudou, tudo ou nada? Vou caminhando sem deixar pegada”, explica o conciso refrão sobre a passagem de quase trinta anos. Tanto tempo de estrada se deu graças à militância artística do líder Rhossi e de Doze, parceiro de sempre. Moleques do Grajaú, se conheceram muito cedo e iniciaram juntos no rap.

“Na época que eu comecei o Pavilhão 9 com o Pivete, em 1989, já conhecia o Doze. Ele tinha um grupo muito louco chamado A Profecia. Era o começo do rap, ainda uma coisa surreal”, lembra Rhossi. “Era um típico grupo de rap: eu, meu irmão e mais um DJ”, continua Doze. “Naquela época tinha festivais de rap e neles conheci o Pivete, o Sabotage, e reencontrei o Rhossi.”

“Igual aquele seriado da Netflix, The Get Down, sabe? A gente era moleque de bairro afim de descolar alguma coisa, a gente queria ser visto”, compara Rhossi. A visibilidade, por outro lado, tornou-se ameaça com o sucesso de “Otários Fardados”, do disco 1º Ato (1992), que forçou o vocalista a usar uma máscara para proteger a identidade. Diminuir o tom da crítica é que não era alternativa, ainda mais em um período de crescente desigualdade e violência urbana.

Quando, em julho deste ano, o single “Tudo por Dinheiro” anunciou o retorno do Pavilhão 9, os fãs compartilharam de uma nostálgica revolta. “Doleiro laranja, o país não avança, estou sem confiança. Tudo é propaganda”, rima Rhossi, há muito com o grito preso na garganta. Desde que decidiu retomar a banda já se vão três anos. “Eu divulgando meu trabalho solo e só me perguntavam quando voltaria o Pavilhão”, conta.

Como os demais integrantes preferiram tocar outros projetos, a convocação a Doze foi peremptória. Ele largou um emprego na Gol para trabalhar com Rhossi nos temas, nas letras, na capa do disco. Retomaram as redes sociais para divulgação em novos tempos e há um ano conseguiram o que faltava: uma nova formação com Rafael Bombeck na guitarra, Heitor Gomes no baixo, Leco Canali na bateria e DJ MF nas pick-ups.

Foi em 1997 que o grupo de rap do Grajaú virou banda e trocou a base eletrônica por elétrica. “A gente vivia essa atmosfera de banda muito forte, com o Planet Hemp, Defalla, Ratos de Porão, Pin Ups. Na [casa noturna Dead Temple, na Augusta, toda a galera do skate e do rock se reunia, e o lance da mistura se intensificou”, explica Rhossi. Foi nessa época que Doze entrou para o Pavilhão.

“O Marinho, baixista do Yo Ho Delic, queria montar uma banda com rap e a gente queria uma base hardcore, foi como uma luva. Eu chamei o Doze para o primeiro ensaio e saiu um monte de música. Nossos ensaios eram festas na Av. Pompeia, 1895. Todo mundo ia lá ver.” Foi a época de maior exposição do Pavilhão 9, e quem assistia à MTV naquele final de milênio provavelmente se deparou com clipes como “Mandando Bronca”.

O hardcore virou a base para os disparos líricos da dupla de MCs e o álbum Cadeia Nacional (1997) se tornou um marco na trajetória da banda. Vinte anos mais tarde, Antes Durante Depois retoma daquele ponto, quando a recessão econômica era sofrida pelos mais pobres e o Estado sonegava direitos da população. Às custas de elementos daquela alquimia rítmica, que não se repete, o grupo adaptou a linguagem – lançou o disco com dez faixas e meia-hora de duração, direto ao ponto.

“O Heitor foi fundamental para esse projeto. Fiz o convite e ele vestiu a camisa”, brinca Rhossi, apontando para o agasalho usado pelo baixista. “Posso confirmar que o universo conspira”, responde o músico, “ganhei esse casaco em 2012, quando o Pavilhão tocou no Lollapalooza, e cinco anos mais tarde sou oficialmente da banda”. Com passagens importantes por Charlie Brown Jr e CPM22, Heitor deu agilidade ao processo e sugeriu bases para o repertório. “A maior realização da minha carreira foi a responsabilidade de trazer arranjos com essa visceralidade do Pavilhão. A gente quer expressar essa raiva no som e nas letras.”

Quem nunca escutou Pavilhão 9 vai saber exatamente do que se trata com Antes Durante Depois, disponibilizado em agosto nas plataformas de streaming. As duas primeiras pedradas, “Antes Durante Depois” e “Tudo por Dinheiro”, amaciam o estômago do ouvinte. Em “Número 1” há sirenes policiais e um refrão motivacional. Ventos praianos soprados com vigor da baixada santista por Heitor chegam em riffs de “Boca Fechada”, que se revolta com o silêncio: “Tudo acontece por debaixo dos panos, um cara enriquece e ninguém sabe como”.

O hip-hop contemporâneo aparece no trap do produtor Nave Beatz em “Pesadelo Gangsta”, que se conecta às primeiras músicas do grupo de rap. Os latidos anunciam a chegada à periferia, mas em vez de se autopromover com rimas de ostentação, como faria um MC imberbe, Rhossi e Doze se colocam humildes servidores da rua: “Você se julga um bandido, eu vivo realidade. Se quiser, dá um grito e eu colo na cidade”. Não há nas linhas do Pavilhão sofisticadas figuras de linguagem, esquemas exóticos de rimas ou frases em idioma estrangeiro. A poesia é de raiz, e seu valor é a coerência com a história do rap nacional.

A faixa final também retorna aos primórdios de Pavilhão 9. Com alma lavada após muito vociferar, o narrador encosta no banco e relaxa para fazer uma crônica do movimento da maconha no país. Do tráfico para a biqueira, para a freguesia e até os estádios de futebol, o relato se constrói sobre base eletrônica e um baixo acústico que estava encostado em Santos. “A gente queria fechar o disco com uma música tipo ‘finex’”, justifica Rhossi. O final com solo de flugelhorn de Reginaldo 16, do Funk Como Le Gusta, é mesmo coisa fina.

Trinta anos de bagagem fazem toda a diferença. A produção é de Daniel Krotoszynski e tecnicamente a experiência dos integrantes se justifica na coesão do álbum. Sobretudo, a visão de quem vive o mundo real é um oásis em meio a tanta miragem de Instagram. “Os mais novos cantam o que eles vivem. A gente precisava gritar, dar porrada, porque era mal visto antigamente”, compara Rhossi. “Não sou contra falar de diversão e de relacionamento, mas acho que faltava esse contraponto que é da nossa vivência.”

“O Pavilhão não dita regras”, esclarece Doze. “A gente alerta para as coisas que incomodam o cidadão comum, trabalhador.” Antes Durante Depois, relatos de uma correria sem paz nem razão. Como se nada tivesse mudado desde o século passado, quando tudo mudou. Para quem nunca ouviu Pavilhão 9, os gritos agressivos contra o mundo podem assustar, mas, antes, era assim que se fazia quando a corda apertava. Continua não sendo possível tolerar a repressão.