Tribunal condena Phil Rudd, ex-baterista do AC/DC, a oito meses de prisão domiciliar

Polícia também encontrou drogas na casa do músico, que vive na Nova Zelândia

Redação Publicado em 09/07/2015, às 12h10 - Atualizado em 10/08/2015, às 11h41

Phil Rudd
Alan Gibson/AP

Phil Rudd, ex-baterista do AC/DC, foi sentenciado a oito meses de prisão domiciliar pelos recentes crimes de posse de drogas e ameaças de morte.

Galeria: "Relembre 10 casos de músicos que foram parar atrás das grades.

O músico se declarou culpado durante um julgamento na Nova Zelândia, que aconteceu em 21 de abril, de ameaçar matar um empregado e a filha de dez anos do funcionário. O baterista também se declarou culpado pela acusação de posse de metanfetamina e maconha.

O AC/DC faz parte da nossa lista de roqueiros bons de marketing.

Segundo informações do jornal local New Zealand Herald, Rudd telefonou ao empregado no dia 26 de setembro de 2014 fazendo ameaças de morte. À época, a polícia local fez uma busca na casa dele, localizada na cidade de Matua, na Ilha do Norte da Nova Zelândia, e encontrou metanfetamina e maconha.

O juiz responsável pelo caso afirmou que Rudd será monitorado durante 24 horas por dia e, caso viole as determinações legais, será levado em custódia. “Eu garanto que você irá à prisão caso não colabore. Não sou seu diretor de uma escola de ensino fundamental, muito menos sou o seu pai, eu sou um juiz”.

O baterista, único integrante do AC/DC nascido na Austrália, se mudou para Nova Zelândia em 1983 após abandonar o grupo, mas retornou em 1994.