Produtor de Nevermind conta como um aquecedor influenciou na gravação do disco do Nirvana; assista

Butch Vig explica que o entrosamento da banda de Seattle foi um dos fatores determinantes para a sonoridade do álbum

Rolling Stone EUA Publicado em 03/10/2014, às 17h16 - Atualizado às 17h52

Nirvana

Ver Galeria
(20 imagens)

O produtor e músico do Garbage, Butch Vig, recentemente comentou sobre a época em que ele produziu o disco Nevermind, do Nirvana, durante a participação dele na Yellow Phone Music Conference na cidade de Milwaukee, nos Estados Unidos. Foi a primeira vez em que ele falou em uma conferência de música, por isso ele tinha muitas histórias interessantes sobre o Nirvana que ainda não havia contado.

Edição 83 – In Utero, último disco do Nirvana, nasceu no Brasil.

Vig encontrou uma maneira envolvente de creditar um aquecedor de ar como impulso para o Nirvana ensaiar mais, sugerindo que, devido ao fato de eles estarem bem preparados, ele não teve muito o que fazer nas edições do álbum – além da introdução de “Smells Like Teen Spirit”. “Algumas pessoas não sabem disso, mas antes de eles entrarem em estúdio para gravar, eles ensaiaram todo dia por uns seis meses, tipo, dez horas por dia”, disse ele.

Nirvana: os bastidores e detalhes da reunião.

“Kurt queria fazer um disco de sucesso. Ele queria fazer um álbum que soasse muito bem. Parte dos motivos pelos quais eles ensaiaram por dez horas em um dia era que eles estavam morando em um apartamento desprezível no nordeste da cidade sem estrutura nenhuma. O local de ensaios deles, contudo, tinha um aquecedor. Então eles ficavam aquecidos. Eles ficavam lá tocando até 22h ou 23h, e, só depois, voltavam para o apartamento. Mas eles estavam bem entrosados”, disse ele.

20 anos atrás, um Kurt Cobain rouco e introspectivo comandava o último show do Nirvana.

Veja o vídeo do depoimento de Butch Vig na Yellow Phone Music Conference.