Produtor do Green Day diz que internação de Billie Joe Armstrong “não é piada”

Rob Cavallo, da Warner Bros. Records, diz que não sabe quando o vocalista da banda será liberado da reabilitação

Patrick Doyle Publicado em 15/10/2012, às 09h32 - Atualizado às 10h15

Billie Joe Armstrong
AP

Em setembro, o vocalista do Geen Day Billie Joe Armstrong deu entrada em uma clínica de reabilitação por abuso de substâncias depois de um discurso irado no festival de música iHeartRadio, em Las Vegas. A Rolling Stone EUA descobriu que ele ainda tem um longo caminho até a recuperação.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

“Sua reabilitação não é uma piada”, diz o presidente da Warner Bros. Records Rob Cavallo. “Ele está sob supervisão médica até ficar limpo.”

Até agora, a banda cancelou algumas apresentações, incluindo o Voodoo Music and Arts Experience, de Nova Orleans (Estados Unidos). Atualmente, eles ainda têm datas marcadas de 26 de novembro, no Paramount Theatre, em Seatle, e algumas outras até fevereiro, mas ainda não se sabe se esses shows serão cancelados.

“Os médicos ainda estão avaliando”, diz Cavallo, produtor dos discos da banda com a gravadora, como Dookie (1994) e American Idiot (2004). “Tudo o que posso dizer é que não sabemos se o veremos antes ou depois do Natal. A volta dele está indeterminada.”

Na última semana, o baixista da banda Mike Dirnt contou ao locutor Zane Lowe, da BBC Radio 1, que a pressão para promover os três discos - ¡Uno!, ¡Dos! e ¡Tre! - colocou um pesado fardo sobre a banda. “Foi um tremendo empreendimento”, disse Dirnt. “Apesar de estarmos nos divertindo, não conseguíamos colocar o nariz para fora do trabalho por um longo tempo. Isso pode acabar você. É como se tivéssemos pulado de um trem em movimento”.

O baixista ainda informou que o incidente de Armstrong em Vegas não foi uma surpresa completa.

“Existem outros sinais de que as coisas não iam bem”, disse. “Nós não tínhamos tempo para dormir e Billie definitivamente sofria com o pior disso. Ele estava lutando suas próprias batalhas... Nós estávamos lá com ele, mas somente você pode lidar com suas próprias coisas... No fim, quando saímos da estrada, a vida do meu amigo era a coisa mais importante.”