Ryan Adams e Taylor Swift discutem método de composição e bloqueio criativo em vídeo

Cantor lançou disco com releituras das faixas de 1989, que são de autoria da estrela pop

Rolling Stone EUA Publicado em 19/10/2015, às 15h40 - Atualizado às 16h48

Taylor Swift e Ryan Adams conversam sobre 1989 em vídeo
Reprodução/Vídeo

Ryan Adams recentemente fez uma releitura de 1989, da Taylor Swift – um álbum de covers que foi entusiasticamente aprovado pela própria Taylor –, e agora os dois artistas se encontram para uma divertida conversa, gravada em vídeo, e divulgada nesta segunda, 19.

Galeria: ouça canções compostas por Taylor Swift para ex-namorados.

No papo, eles discutem, entre outras coisas, a arte de compor, os métodos usados por cada um para superar um bloqueio criativo e até as versões melancólicas de Ryan Adams para as faixas do disco otimista e “para cima” de Taylor Swift. A conversa foi gravada em vídeo pela GQ norte-americana.

Assista abaixo.

“Sabe quando os atores dizem algo, eles falam uma frase, mas expressam dando ênfase a diferentes palavras e mudam aquilo completamente? É isso que você fez com meu álbum”, diz Taylor a Adams sobre 1989. “Pega uma canção tipo ‘All You Had to Do Was Stay’. Minha versão é: ‘Tudo que você precisava fazer era ficar. Desculpa por isso. Não sinto sua falta, mas agora você voltou’. A sua é: ‘Tudo que você precisava fazer era ficar. Você partiu meu coração. Isso é tudo que você tinha que fazer’.”

Adams ainda perguntou a Taylor se os sonhos dela já geraram ideias de músicas. “A música ‘All You Had to Do Was Stay’. Há um ‘Stay!’ em um tom muito agudo. Tive um sonho, meu ex-namorado apareceu na minha porta, bateu, e eu abri. E eu estava pronta para alcançar a coisa perfeita a se dizer”, disse Taylor. “Em vez disso, tudo que saiu da minha boca foi o refrão agudo com pessoas cantando ‘Stay!’.”

Os melhores discos internacionais de 2014.

No assunto “bloqueio criativo”, Adams admitiu: “Toda vez que estou travado ao compor, eu posso basicamente colocar um disco do Smiths para tocar e é como se minha mente fosse um iPhone: ela recarrega em cinco minutos. É porque há todas essas questões marcadas naquilo, é algo muito exterior para mim, e está sempre me fazendo querer tocar violão”. Taylor então revelou que as inspirações dela para 1989 foram filmes de John Hughes.