RZA entra na justiça para recuperar royalties de faixa com Kanye West

Líder do Wu-Tang Clan não recebeu os lucros de “Dark Fantasy” por uso equivocado de samplers

Rolling Stone EUA Publicado em 02/03/2013, às 13h39 - Atualizado às 13h48

 Robert Fitzgerald Diggs é RZA e Bobby Digital - O segundo nome artístico de RZA é um alter-ego que ele usa para lançar discos solo, fora do Wu-Tang Clan. E para fazer produção executiva de seus projetos paralelos.
AP

RZA devolveu a acusação por uso equivocado de samplers que resultou em perda de lucros. O líder do Wu-Tang Clan está infeliz com a retenção de cerca de US$ 50 mil de royalties da canção “Dark Fantasy”, feita em parceria com Kanye West, acusada de ter gravações não esclarecidas da Teichiku Entertainment. RZA entrou na justiça nesta semana contra a multinacional Kenwood Holdings, dona da Teichiku.

Prince, RZA, Cat Stevens, Diddy: relembre artistas que mudaram de nome por razões bizarras

De acordo com o site da revista The Hollywood Reporter, RZA alega no processo que foi informado que “Dark Fantasy” utilizou sampler da faixa “Gincyo Watadori”, de Meiko Kaji, e que por isso a Teichiku queria compensação. Isto levou a Island Def Jam – gravadora de Kanye West – a congelar os pagamentos de RZA. Um advogado da Teichiku afirmou que a empresa entrou em contato em junho do ano passado, mas não chegaram a um acordo e entraram na justiça.

A meta de RZA é assegurar na corte a declaração de que a faixa não é ilegal, uma estratégia proativa. Ele não é o único artista a sofrer problemas com este recentemente - Beastie Boys, Madonna, Jay-Z e o próprio West, entre outros, também sofreram acusações por uso de samplers.