Sabor anos 80

Apesar do público esparso, o Human League animou a noite de terça, 6, em São Paulo

Por Paulo Cavalcanti Publicado em 07/04/2011, às 19h09

Human League em show na Via Funchal, em SP

Ver Galeria
(4 imagens)

O grupo inglês de pop eletrônico oitentista Human League se apresentou na Via Funchal, São Paulo, na última terça-feira, 6. Tudo começou às 22h20 - mas a essa altura, a lotação da casa não chegava nem à metade. Talvez isto tenha intimidado um pouco o grupo, já que o começo do show foi um tanto frio. Aos poucos, porém, foram chegando mais algumas pessoas e o astral melhorou.

Os vocalistas Philip Oakey, Susan Ann Sulley e Joanne Catherall foram acompanhados por dois tecladistas (um deles também se alternava na guitarra, dependendo da música) e um baterista. O Human League acabou de lançar um novo disco, chamado Credo, que ainda não ganhou edição nacional. Mas nem mesmo a falta de familiaridade das novas canções atrapalhou o andamento do show, que começou com a nova "Never Let Me Go".

Confira entrevista com Susan Ann Sulley.

"Open Your Heart", lançada em Dare (1981), o disco mais bem sucedido do Human League, já animou as cerca de 1500 pessoas presentes. Irrequieto, o vocalista Oakey andava de um canto ao outro do palco. Ele entrou trajando um sobretudo preto com capuz que o cobria dos pés a cabeça. Logo o ele retirou para revelar uma camisa branca, calça preta e botas que iam até o meio das pernas. Mais discretas, as vocalistas Susan e Joanne permaneciam atreladas aos seus microfones e ensaiavam coreografias desajeitadas, mas que tinham lá seu charme. Ao fundo, projeções mesclavam imagens aleatórias, ora com aspecto retrô, ora futuristas.

O show continuou com um pique bom e dançante em uma sequência que teve "Sound of the Crowd", "Heart Like A Wheel", "The Lebanon", "Egomaniac" e "Empire State Human". O grupo então atacou com "Night People", o principal single de Credo. "Human", balada retirada de The Crash, foi um dos momentos mais esperados. Mais hits vieram: "Love Action", "All I Ever Wanted", "(Keep Feeling) Fascination" e "Mirror Man". Depois desta última, foi a vez da inevitável "Don't You Want Me", o carro-chefe do Human League e que fez com que todo mundo pulasse sem parar. Após os agradecimentos de praxe, a banda se retirou. Oakey voltou sozinho para "Seconds", a primeira música do bis, e foi acompanhado por Sulley e Catherall em "Together In Electric Dreams", a canção que encerrou a apresentação.