Se Nada Mais Der Certo leva prêmio do júri no Rio

Festival carioca ainda premiou Matheus Nachtergaele e Daniel de Oliveira por A Festa da Menina Morta; público consagra Apenas o Fim

Da redação Publicado em 10/10/2008, às 11h54

Aconteceu na noite desta quinta-feira, 9, a premiação e a cerimônia de encerramento do Festival do Rio. Os longas Se Nada Mais Der Certo, de José Eduardo Belmonte, e Apenas o Fim, de Matheus Souza foram os grandes vencedores da noite, ao lado do diretor estreante Matheus Nachtergaele, por A Festa da Menina Morta, o ator Daniel de Oliveira e a atriz Caroline Abras.

O festival fluminense premia apenas filmes brasileiros, embora tenha exibido filmes de diversos países em sua mostra não-competitiva. Se Nada Mais Der Certo foi escolhido o melhor filme por escolha do júri, enquanto Apenas o Fim ganhou pelo voto popular.

Os documentários Estrada Real da Cachaça e Loki - Arnaldo Baptista também foram premiados. A história do ex-Mutante foi consagrada pela audiência.

Premiado seis vezes em Gramado, A Festa da Menina Morta causou choque nos espectadores no Festival de Cinema de Cannes, principalmente em uma cena de sexo homossexual entre os atores Jackson Antunes e Daniel de Oliveira, que interpretam pai e filho da produção.

Mais de 350 filmes, de 60 países diferentes, foram exibidos este ano no Festival do Rio. O próximo grande festival de cinema que acontece no Brasil é a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que abre suas atividades na próxima sexta-feira, 17.

Confira todos os vencedores do Festival do Rio:

Melhor longa-metragem ficção

Se Nada Mais Der Certo, de José Eduardo Belmonte

Melhor longa-metragem ficção voto popular

"Apenas O Fim", de Matheus Souza

Melhor diretor

Matheus Nachtergaele, por A Festa da Menina Morta

Melhor ator

Daniel de Oliveira, por A Festa da Menina Morta

Melhor atriz

Caroline Abras, de Se Nada Mais Der Certo

Melhor longa-metragem documentário

Estrada Real da Cachaça, de Pedro Urano

Melhor longa-metragem documentário voto popular

Loki - Arnaldo Baptista, de Paulo Henrique Fontenelle