Show de Wilson Simonal e Sarah Vaughan sairá em DVD

Próxima leva de lançamentos envolvendo o nome do cantor inclui álbum de inéditas e musical

Da redação Publicado em 30/11/2009, às 18h53

O histórico dueto entre Wilson Simonal e Sarah Vaughan, durante um programa transmitido pela extinta TV Tupi em 1970, será lançado em DVD. Simoninha, primogênito do cantor, listou os próximos lançamentos com a grife Simonal ao Jornal da Tarde: além da edição do show com a jazzista norte-americana, ainda sem previsão de lançamento, o músico aparecerá nas prateleiras com um disco de inéditas, o lançamento do álbum México 70 (só lançado no exterior) e um musical, que deve estrear "estrear entre o final de 2010 e o começo de 2011", afirmou o cantor.

Wilson Simonal gozou de grande prestígio nos anos 60 e no começo da década seguinte. A ruína começou com o já clássico episódio de 1971, que envolveu Raphael Viviani, chefe de escritório seu por alguns meses naquela época. Em 24 de agosto daquele ano, Viviani foi agredido por policiais do DOPS, o famigerado órgão de repressão da ditadura militar, a mando do ex-patrão, que desconfiava estar sendo passado para trás nas finanças. Seguiu-se àquela noite uma série de denúncias de colaboração entre Simonal (que as negou até o fim da vida, em 2000) e o regime militar, desatadas no ostracismo do músico - que chegou a vender mais álbuns que Roberto Carlos, o único páreo em fama naqueles tempos.

O encontro com "Mrs. Vaughan", como ele a chamou durante a transmissão, incluiu uma dobradinha para "Happy Days", de Jimmy Custer. Após duetar com Simonal, a diva do jazz desenvolveu relação cada vez mais estreita com nosso país, o que resultou em álbuns como I Love Brazil (1977) e Brazilian Romance (1987). Como atenta a biografia Nem Vem Que Não Tem - A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, de Ricardo Alexandre, quando a cantora morreu, em 1990, os jornais brasileiros basicamente descartaram dos obituários a apresentação no programa da Tupi. Simonal, àquela época, já penava num longo limbo musical, de onde só sairia postumamente, a partir do ano passado, com o lançamento do documentário Ninguém Sabe o Duro Que Dei.

Simonal também ganhou, em agosto, tributo em CD e DVD, realizado por Marcelo D2, Maria Rita e Caetano Veloso, entre outros.

Na votação das 100 maiores músicas brasileiras feita pela Rolling Stone Brasil na edição de outubro, constaram três músicas consagradas por Simonal: "País Tropical" (25º lugar), "Nanã" (29º) e "Sá Marina" (88º). No mês anterior, a RS Brasil publicou um trecho do livro de Ricardo Alexandre que narra o "coro dos 30 mil" no Maracanãzinho.

Ao Jornal da Tarde, Simoninha declarou: "Fico muito feliz com o sucesso que estes lançamentos estão fazendo, obviamente. Mas a manifestação do público é que me deixa mais feliz. Fui em uma festa na Vai-Vai um dia desses e duas pessoas mais velhas me pararam dizendo que tinham se espelhado no meu pai, que pegaram o exemplo de luta dele na época para sair do nada. Venho percebendo que ele marcou a vida de muita gente".

Assista a um pedaço do programa com Simonal e Vaughan: