Stone Roses confirma reunião para três shows em 2016

Banda inglesa não fez declarações sobre a possibilidade de gravar um novo álbum

Redação Publicado em 03/11/2015, às 18h33 - Atualizado às 19h02

Ian Brown, vocalista do Stone Roses, durante apresentação da banda

Ver Galeria
(3 imagens)

O grupo de rock inglês Stone Roses confirmou que seus integrantes se reunião para tocarem novamente juntos. Desta vez, eles voltarão aos palcos para três shows na Inglaterra, em 2016. Enquanto a mídia britânica ventila possibilidades de um novo disco de inéditas, contudo, a banda se recusa a comentar as notícias.

Galeria: bandas que foram, mas voltaram.

A notícia foi dada primeiro por alguns cartazes espalhados pela cidade de Manchester, na Inglaterra. Depois, o Stone Roses foi oficialmente às redes sociais para confirmar as datas: eles tocarão no Etihad Stadium, do Manchester City, nos dias 17 e 18 de junho de 2016, e serão também uma das atrações principais do festival escocês T in the Park, no dia 8 do mesmo mês.

Estas serão as primeiras apresentações do Stone Roses desde o festival Finsbury Park de 2013, ocasião em que eles encerraram as primeiras turnês de retorno. Com dois discos lançados entre o fim dos anos 1980 e o começo da década seguinte, o Stone Roses voltou a tocar junto em 2012, tendo esgotado cerca de 220 mil ingressos para shows em Manchester em 68 minutos.

Eu voltei! 2013 marcou o retorno de artistas à música.

A formação da banda que tocará em 2016 contará com Ian Brown (foto acima), John Squire, Gary Manny “Mani” Mounfield e Alan “Reni” John Wren. Segundo o semanário britânico NME, o quarteto também passa a ser considerado um dos artistas favoritos para tocar em um dos palcos principais do megafestival Glastonbury de 2016.

Nesta terça, 3, ainda, o jornal inglês The Sun noticiou a possibilidade de um novo disco de inéditas do Stone Roses. “Eles sentem que tudo está no lugar para gravar um novo álbum”, disse a reportagem. Em contato com outras publicações do país, entretanto, os representantes da banda afirmaram que “não têm mais comentários a fazer sobre a notícia da reunião”.