The Mars Volta no SWU

Experimentalismo do grupo encerrou as atividades no palco Água no último sábado, 9; assista

Por Stella Rodrigues Publicado em 12/10/2010, às 18h03

The Mars Volta no SWU

Ver Galeria
(8 imagens)

O Mars Volta foi a última atração a subir ao palco Água do SWU no último sábado, 9, quando mostrou para o público do festival sua música experimental.

A banda não falou muito, tocou uma faixa após a outra sem dirigir um "oi" sequer para a plateia. Mas o vocalista tem seu próprio jeito de interagir com os presentes - além da música, claro. O performático Cedric Bixler Zavala preferiu se comunicar fazendo caras e bocas contemplativas enquanto soltava seus agudos berros e, na hora que a música pedia, girava o microfone, pulava e dançava, parecendo se esforçar para estar em todos os cantos do palco ao mesmo tempo.

O outro fundador do Mars Volta, o guitarrista Omar Rodríguez-López, acompanhou tudo com uma coreografia bem sincronizada, formando uma dinâmica bastante harmônica entre os dois, que mostraram disposição nas suas expressões corporais.

As longas canções do Mars Volta passeiam pelo lento, acelerado, pesado e contemplativo. Enfim, são cheias de altos e baixos. O público acompanhou o ritmo agindo ora de maneira introspectiva, ora fazendo as tradicionais rodas de pogo. O momento em que os presentes pareceram entrar mais na "piração musical" do Mars Volta foi durante a execução de "Goliath", que integra o álbum The Bedlam in Goliath, de 2008.

No final, parte do público aproveitou a oportunidade que o nome da banda proporciona de gerar um duplo sentido e gritou "volta, volta" enquanto os artistas deixavam o palco. Nem mesmo ao se despedir e agradecer Cedric usou sua poderosa voz para falar, limitou-se a acenar com a mão. Mas ter usado seu poder de comunicação vocal cantando foi o suficiente para os fãs.

Veja um trecho: