Um dia nas ladeiras de Olinda

Carnaval na cidade reúne 2,5 milhões de pessoas ao longo de cinco dias de folia

Pedro Antunes, de Olinda Publicado em 12/02/2013, às 05h11 - Atualizado às 11h40

Ladeira da Misericórdia (Olinda)
Pedro Antunes

Lula Queiroga, musico e compositor, estava certo quanto aos versos de “quanta ladeira, Olinda, quanta ladeira”, que deu nome ao seu coletivo musical jocoso que reúne artistas para cantar sátiras e criticas, contra tudo e todos, há 16 anos. O termômetro indicava 30º, mas a sensação térmica poderia ter facilmente uns dez a mais, às 11h desta segunda, 11. O sol queimava os foliões da cabeça aos pés, implacável e desinibido. Olinda fervia ao som do frevo, que chegava incansavelmente por todos os lados. Bloquinhos e blocões, apinhados de gente, circulavam a cidade. A cada esquina, uma surpresa: fantasias criativas iam de super-heróis a homenzarrões vestidos apenas com fraldas e com uma mamadeira na boca.

Na sede da prefeitura, o prefeito Renildo Calheiros conta que o carnaval de Olinda funciona como uma parabólica de tudo o que acontece na região. “Todos os carnavais coexistem”, diz. “Olinda, na verdade, atrai as pessoas destas cidades. Isso durante o dia, quando a noite chega, elas vão para outros lugares.” Ao todo, 2,5 milhões de pessoas passam pela cidade nos cinco dias de carnaval.

Durante o dia, a cidade se torna um enorme caldeirão de sotaques e nacionalidades. Todos ali sorriem e vivem o intenso sonho de carnaval e folia e despreocupação.

De súbito, alguém canta a bola: “Vocês deveriam ver a cobra”. Foi dada a partida da busca do bloco chamado de Troça Carnavalesca Mista, Etílica e Erótica Minha Cobra, ou T.C.M.E.E., ou ainda apenas cobra. O grande barato, disse ela, é o fato da cobra ter mais de 25 metros de comprimento e vir cortando a cidade ao longo do dia.

“Desce ali e pega a esquerda”, começou explicando um senhor magro que vendia água e cerveja (a preços justos, de até R$ 3). “Largo do Amparo? Não conheço, não”, disse outro ambulante, logo em seguida, desconhecendo o local onde é realizada a saída do bloco.

Para andar por Olinda, durante o dia, são necessárias algumas precauções – como em qualquer lugar de grande movimentação. Nessa hora, as mãos vão aos bolsos, de preferencia, tomando conta de carteira e o celular. Tomadas as precauções, o perambular e perder-se ao som do batuque e das marchinhas é saboroso. Só é preciso pique para aguentar as subidas, que podem ser exageradamente grandes e maldosas com os mais despreparados fisicamente.

A viela desemboca em uma grande avenida por onde passam os lanceiros, personagens do folclore pernambucano, acompanhados pelo grupo de Maracatu de Baque Solto Piaba de Ouro. "Bum!" "Bum!" "Bum!" Os tambores anunciam a chegada e avançam em meio às pessoas. Logo ao lado, um vendedor de sorvetes indica novamente o caminho da cobra. “Tá vendo aquela rua, ali? Então, não entra nela, não. Faz assim, sobe essa rua até o fim, e então vire na primeira à direita”.

Escalada na Ladeira da Misericórdia

Passou a primeira rua à esquerda, a segunda, terceira, até um cruzamento de cinco ruas. Ali surgia a monumental e famosa Ladeira da Misericórdia (veja na foto acima), bastante íngreme e aterrorizantemente longa. A ladeira é cruel para corpos pouco exercitados e, principalmente, pulmões fumantes. Na cabeça, a letra de Queiroga se repete como um mantra: “Quanta ladeira. Olinda, quanta ladeira”.

No topo do morro, na Sé de Olinda, suados e esbaforidos, outra dica do paradeiro da cobra. “Acabamos de voltar do Largo do Amparo”, disse uma senhora de cabelos roxos a um grupo de amigos. Ela indica a direção, descendo o morro, e lá vamos nós. Num cruzamento, avistamos a cobra de longe, indo embora e seguida por uma multidão. “Vamos pegar ela pelo outro lado?”, sugere um dos jornalistas. Voltamos a subir por onde viemos. E a música segue grudada na cabeça: “Quanta ladeira. Olinda, quanta ladeira”.

Sobe, desce. Sobe, desce. Parada para deixar o bloco Mamãe Passou Açúcar em Mim passar. Sobe, desce. E assim seguiram-se duas horas. O corpo, encharcado por suor e protetor solar, pede descanso. A jornada teria um fim patético, trágico-cômico. Não haveria história para contar: uma cobra de 25 metros de comprimento, carrega por foliões, perdeu-se pelas vielas de Olinda. Na desconsolada volta ao ponto de encontro, surge ela, virando uma esquina. Imponente, carregada pelos foliões, a cobra coral serpenteia o público, que canta, pula, brinca e bebe. Em Olinda, não é preciso ir atrás da folia, ela surge quando menos se espera.