Ansioso pela decisão da Libertadores, Xis fala sobre o projeto O Corinthiano

“A cultura hip-hop sempre esteve ligada ao esporte”, afirma o rapper, que está lançando músicas em homenagem ao alvinegro

Lucas Reginato Publicado em 04/07/2012, às 11h18 - Atualizado às 11h18

Xis
Divulgação

Como todo corintiano, Xis não pensa em outra coisa que não seja a final da Libertadores contra o Boca Juniors. O rapper paulistano está acostumado a ser lembrado pelo time para o qual torce tamanha a identificação, e este vínculo deve aumentar ainda mais. Neste ano, ele está trabalhando em uma mixtape batizada de O Corinthiano, em que, a cada faixa, ele convida outro artista para fazer uma nova música sobre o alvinegro.

“Só participa quem for corintiano”, afirma Xis, que até agora lançou “Só Us Loko”, com o cantor Q-Pam, e “Ao Nosso Grande Dia”, com Nego Panther, Dikampana e Vato Loko – ambas com clipe, porque, segundo ele, “hoje em dia não adianta lançar a música se não tem o vídeo”.

Na internet, as canções ganharam grande número de visualizações graças à popularidade do time. “Lancei quatro músicas neste ano. As duas do Corinthians já foram muito mais ouvidas do que as minhas”, observa. O rapper contou com alguma ajuda do Departamento Cultural do clube para divulgar as músicas, produzidas de forma independente.

As duas faixas lançadas agora fazem parte de uma coleção de mais de 200 canções que o próprio rapper reuniu. São composições que vão desde Tião Carreiro a achados da web que homenageiam o time. “Corinthians e Flamengo são sem dúvida os times que mais foram temas de músicas”, diz Xiz, que se considera um pesquisador musical. Ele defende, no entanto, que esta coleção poderia ser muito maior.

“Nos Estados Unidos os caras estão acostumados com este tipo de coisa”, afirma o rapper, que cita “Black and Yellow”, homenagem de Wiz Khalifa ao Pittsburgh Steelers, time de futebol americano, e “Green and Yellow”, canção de Lil Wayne feita para o Green Bay Packers, da mesma modalidade. “A cultura hip-hop sempre esteve ligada ao esporte.”

Por outro lado, Xis nota que muitas vezes tal ligação é esquecida nos estádios. “Outro dia estava esperando começar o jogo no Pacaembu e nos alto-falantes estava tocando ‘Beber, Cair e Levantar’”, critica. “A mim, que sou um amante do esporte e da música, isso incomoda.”

O plano do artista é aproximar suas composições do público. “Quando a mixtape estiver pronta, quero ir nas quadras das torcidas, que por sua vez têm bastante contato com o samba, e agora também com o funk, mas pouco com o rap”, planeja. Ele acredita que a música pode ser também um caminho para divulgar a paz entre as torcidas organizadas, e por isso pede a quem participa de sua mixtape para não ofender os adversários. “É ridículo que um clássico que pode ser motivo de orgulho para a cidade seja motivo de briga.”

Sem pressa para acabar, o rapper afirma que a próxima faixa do projeto será feita em conjunto com Supafla, MC do Rio de Janeiro. Enquanto isso, ele fica na torcida – “em casa, porque somos mal tratados nos estádios”. Para a decisão desta quarta, 4, Xis faz uma previsão otimista: “Acho que vai ser 2 a 0 ou 3 a 1, porque o Corinthians é muito melhor que o Boca”.