White Lies, agora para o grande público

Banda britânica fará segunda passagem pelo país em menos de um ano, apresentando-se no Planeta Terra Festival no próximo dia 5; o baterista Jack Lawrence-Brown fala sobre o retorno ao país

Patrícia Colombo Publicado em 02/11/2011, às 11h22 - Atualizado às 11h41

White Lies toca no Planeta Terra no próximo dia 5
Foto: Reprodução/MySpace

Não faz tanto tempo que o White Lies esteve no Brasil pela primeira vez - a banda, que conta com Harry McVeigh (no vocal), Charles Cave (baixo) e Jack Lawrence-Brown (bateria, o terceiro da esquerda para a direita, na foto), se apresentou por aqui para poucas pessoas em dezembro do ano passado, em evento beneficente (leia aqui). Agora, os britânicos retornam ao país como atração do grande Planeta Terra, no Playcenter, em São Paulo (cuja edição deste ano teve 18 mil ingressos vendidos). “Estamos ansiosos para voltar. A gente se divertiu demais no Brasil”, conta Jack, em entrevista à Rolling Stone Brasil.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

Os meses de 2011 têm sido corridos para os integrantes: lançaram em janeiro o segundo álbum de estúdio, Ritual (que levou três meses para ser gravado e que saiu dois anos após o disco de estreia, To Lose My Life Or Lose My Love, de 2009), e desde então seguem em turnê sem pausa, passando por festivais ao redor do globo. “O ano tem sido muito ocupado. Fomos para muitos lugares, lançamos o disco... Tem sido divertido. Não paramos um minuto”, diz. “Acho que nos sentimos mais confiantes do que antes com este segundo disco. Quando fizemos o primeiro, não tínhamos experiência alguma nisso tudo. Mas quando estávamos trabalhando com Ritual sabíamos melhor nossa intenção, aonde queríamos chegar.”

Por aqui, como citado acima, até o momento os britânicos só têm no currículo um show pequeno – situação que mudará depois do dia 5 de novembro, quando acontece o Planeta Terra. Sobre a tarefa de se apresentar para grandes plateias, Jack diz se sentir atualmente mais seguro. “Gostamos muito de tocar em festivais. Quando começamos, ficávamos intimidados, mas como hoje tocamos em muitos, nos acostumamos”, explica. “Quanto mais você participa desse tipo de evento, melhor você fica. E tocar para uma plateia grande no Brasil vai ser bastante divertido para nós. Há muitas pessoas que provavelmente nunca ouviram nossa música, então é uma boa oportunidade de podermos mostrar nosso trabalho.”

Planos para o futuro

Apesar de Ritual ter sido lançado pouco tempo atrás, os integrantes já pensam, sim, em um disco sucessor – mas sua realização não acontecerá até a atual turnê terminar. “Não acredito que nos dedicaremos a inéditas nos próximos meses, porque ainda temos um bom trecho da turnê para completar. Mas acho que no próximo ano provavelmente nos reuniremos para começar a pensar em coisas novas”, revela Jack. Antes ainda de entrar em estúdio novamente, contudo, o trio pretende tirar uma folguinha não muito longa para recarregar as baterias. “Tudo depende de como nos sentimos, provavelmente depois da turnê faremos uma pausa para descansar. É difícil, na verdade, saber quanto tempo levará para gravar um disco novo, porque costumamos ficar entediados muito rápido [risos].”