Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Vitrine / Música

Como Dave Grohl lidou com o luto pela morte de Kurt Cobain

Saiba como o precoce falecimento do ícone do grunge impactou a vida de Dave

Lucas Peçanha Publicado em 19/03/2024, às 15h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Saiba como o precoce falecimento do ícone do grunge impactou a vida de Dave - Créditos: Reprodução/Amazon
Saiba como o precoce falecimento do ícone do grunge impactou a vida de Dave - Créditos: Reprodução/Amazon

5 de abril de 1994 foi o dia que mudou a vida dos fãs do Nirvana, e o mundo da música, para sempre. A morte de Kurt Cobain, o então vocalista da banda, resultou no fim da era grunge, e deixou uma grande cicatriz na vida de um de seus maiores companheiros – Dave Grohl

Dave, atualmente líder e vocalista da banda Foo Fighters, foi o baterista da banda na época, e já relatou em diversas entrevistas ao longo dos anos o impacto que o precoce falecimento de Kurt teve em sua vida. A morte de Kurt foi novamente abordada após o lançamento do livro de memórias de Dave, intitulado “O Contador de Histórias: Memórias de Vida e Música”, lançado no Brasil no ano passado. Na obra, o astro do rock revela que precisou lidar com a morte de seu companheiro não uma, mas duas vezes. 

Um mês antes da real morte de Kurt, Dave estava acompanhando a banda em uma breve turnê na Europa, quando foi abalado por uma ligação noticiando a morte do vocalista após uma overdose de heroína em um hotel em Roma, no dia 3 de março de 1994. Com a notícia, Dave apenas largou o telefone, se dobrou de joelhos e cobriu o rosto com as mãos, começando a chorar. Desolado no chão do quarto, Dave recebeu outra ligação, desta vez dizendo que seu amigo estava vivo e teria sobrevivido à overdose. 

Fui dominado por uma tristeza mais profunda do que jamais havia imaginado. [...] No decorrer de cinco minutos, passei do dia mais sombrio de toda a minha vida e comecei a sentir que tinha nascido de novo, relatou o músico em seu livro de memórias.

Um mês mais tarde, no dia 8 de abril de 1994, não houve uma segunda ligação para aliviar o coração de Dave. A morte de Kurt foi noticiada pela manhã daquele dia. Ele foi encontrado morto com um ferimento de tiro na cabeça, juntamente com um bilhete de suicídio. 

Viagem para curar a alma

Após a tragédia, Dave se viu completamente perdido e desmotivado, tendo perdido completamente o interesse pela música. Guardou os instrumentos para nunca mais voltar a tocar. A dor foi tamanha que Dave mal conseguia ouvir uma música na rádio. Passados alguns meses, ele resolveu viajar para o Ring of Kerry, no sudoeste da Irlanda. Lugar esse que é um dos favoritos de Dave, totalmente remoto e com belas paisagens. 

Nessa viagem, a música bate à porta de Dave novamente. Ao dirigir por uma estrada, ele se deparou com um homem pedindo carona, e decidiu ajudá-lo. Conforme se aproximava, notou que o rapaz vestia uma camiseta do Kurt Cobain. Isso foi o suficiente para encorajar Dave a retornar para casa, tirar a poeira dos instrumentos e voltar a tocar. A música salvou a sua vida, e ele sentiu que precisava retribuir o favor –  fazendo mais música. 

Com isso, as baquetas deram lugar ao microfone, e Dave gravou a primeira demo daquele que seria o primeiro álbum de sua nova banda: Foo Fighters. 

Um gratificante passeio de carro

Em vida, Kurt Cobain, apesar de conseguir se apresentar para milhares de pessoas ao vivo, era uma pessoa tímida. E muitos de nós nos perguntamos como alguém que é tímido consegue subir em um palco e tocar para uma multidão. Quem também fez a mesma pergunta foi a filha mais nova de Dave, Harper Willow Grohl.

Durante uma entrevista para o The Howard Stern Show, em fevereiro de 2021, Dave declarou que, ao passear de carro com a sua filha pelas ruas de Hollywood, no meio da noite, “Come as You Are” começou a tocar no rádio, e sua filha começou a cantar, sabendo cada palavra do hit do Nirvana. Aquilo o deixou surpreso, pois nunca tinha conversado sobre a banda, nem sequer tocado a música perto dela.

No mesmo passeio, ela perguntou para o pai se Kurt era tímido. E ele disse que sim.

E ela perguntou: “ele era tímido perto de pessoas que ele já conhecia, ou ele também era tímido perto de pessoas que já conhecia?”. Foi interessante, foi a primeira vez que ela perguntou algo sobre o Kurt. Foi a primeira vez. E foi ótimo, foi ótimo

+Adquira o livro de memórias de Dave mencionado no texto por meio da Amazon:

O Contador de Histórias: Memórias de Vida e Música, de Dave Grohl (2022) - https://amzn.to/459TBXs

The Storyteller: Tales of Life and Music (Edição em Inglês), de Dave Grohl (2021) - https://amzn.to/45byiVw 

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data de publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a Rolling Stone pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/3d5KDAX    

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2UbsHfD 

Baixe agora o aplicativo da Amazon: https://amzn.to/3RfCEot