Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Filme baseado em história real de mulher trans ganha Première Brasil do Festival do Rio 2022

'Paloma,' dirigido pelo pernambucano Marcelo Gomes, foi o filme mais premiado do festival

Redação Publicado em 17/10/2022, às 10h34

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Kika Sena como Paloma. Filme de Marcelo Gomes (Foto: reprodução)
Kika Sena como Paloma. Filme de Marcelo Gomes (Foto: reprodução)

O filme Paloma, do diretor pernambucano Marcelo Gomes, foi o grande vencedor da Première Brasil do Festival do Rio 2022O longa é baseado em história real e acompanha a vida de Paloma (Kika), mulher transgênero que vive no sertão de Pernambuco e sonha em se casar na igreja com o namorado (Ridson Reis). Este ano, o filme havia sido selecionado para o Festival Internacional de Cinema de Munique.

“Há mais de dez anos eu li uma matéria no jornal sobre Paloma, agricultora trans, do agreste de Pernambuco, que lutou contra toda uma cidade para realizar o seu sonho de casar na igreja de vestido branco, véu e grinalda. Aquela história me emocionou. Trazia tantos significados: amor, preconceito, afeto, fé, direito ao sonho e à liberdade. Decidi transformar então em um filme”, contou o diretor há alguns meses, em seu perfil no Instagram (via O Globo).
Kika Sena como Paloma, filme de Marcelo Gomes (Foto: reprodução)
Kika Sena como Paloma. Filme de Marcelo Gomes (Foto: reprodução)

O filme ficou com os prêmios de melhor longa de ficção e de melhor atriz para a Kika Sena, a segunda trans a ganhar um prêmio de atriz no festival. Este ano, o filme havia sido selecionado para o Festival Internacional de Cinema de Munique.

+++LEIA MAIS: 15 filmes em destaque no Festival de Cinema de Veneza 2021: de Duna a Led Zeppelin


Lista dos vencedores: Première Brasil

Melhor longa de ficção: Paloma,de Marcelo Gomes

Melhor longa documentário: Exu e o universo, de Thiago Zanato

Menção honrosa do júri: 7 Cortes de cabelo no Congo,de Luciana Bezerra, Gustavo Melo e Pedro Rossi

Prêmio Especial do Júri: Mato seco em chamas, de Adirley Queirós e Joana Pimenta

Melhor direção de ficção: Julia Murat, por Regra 34

Melhor direção de documentário: Juliana Vicente, por Diálogos com Ruth de Souza

Melhor fotografia: Joana Pimenta, por Mato seco em chamas

Melhor roteiro: Carolina Marcowicz, por Carvão

Melhor direção de arte: Marines Mencio, por Carvão

Melhor montagem: Matheus Farias, por Propriedade

Melhor atriz coadjuvante: Aline Marta, por Carvão

Melhor ator coadjuvante: Timothy Wilson, por Fogaréu

Melhor ator: Dario Grandinetti, por Bem-vinda, Violeta!

Melhor atriz: Kika Sena, por Paloma

Melhor curta: Escasso, de Clara Anastácia e Gabriela Gaia Meirelles

Première Brasil Novos Rumos

Melhor longa: Três tigres tristes, de Gustavo Vinagre

Melhor direção: Leonardo Martinelli por Fantasma neon

Prêmio Especial do Júri: Maputo Nakuzandza, de Ariadine Zampaulo

Melhor curta: Curupira e a máquina do destino, de Janaina Wagner