Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone
Música / Hip Hop

Por que hip hop é a forma definitiva de arte dos EUA, segundo Kamala Harris

Vice-presidente americana exaltou importância do estilo musical, cujos 50 anos de criação têm sido celebrados em 2023

Kamala Harris (Foto: Getty Images)
Kamala Harris (Foto: Getty Images)

É indiscutível a importância do hip hop na cultura contemporânea. Não apenas na música, mas em frentes distintas que vão desde outras manifestações artísticas até comportamento da sociedade como um todo.

Kamala Harris parece ter consciência disso. A vice-presidente dos Estados Unidos chegou a definir o gênero musical como “a forma definitiva de arte contemporânea”.

De acordo com o Consequence, a manifestação foi feita durante um evento que celebrou o marco que é considerado o 50º aniversário do hip hop, na residência oficial da vice-presidente em Washington, no último dia 9 de setembro. Além de discursos e homenagens, rolaram apresentações de nomes como Lil Wayne, Common e MC Lyte. Harris afirmou:

“O hip-hop é a forma de arte americana definitiva. O hip hop, agora, molda quase todos os aspectos da cultura popular dos Estados Unidos e reflete a incrível diversidade e engenhosidade do povo americano.”

Um dos aspectos mais interessantes do gênero em questão, segundo a vice-presidente americana, é justamente a mescla de diferentes estilos. Ela garantiu que sabia a letra completa da música “Rapper’s Delight”, clássico pioneiro do The Sugarhill Gang lançado em 1979, e colecionava fitas pirateadas do rapper Too $hort enquanto estudava na Universidade de Howard.

“O hip hop combina ritmos do continente africano, do Caribe, da América Latina, com sons de soul, gospel, R&B e funk para criar algo totalmente novo.”

Em seguida, a política definiu o hip hop como “a cultura dos Estados Unidos”. Chega ao ponto de, segundo ela, as canções do estilo retratarem muito bem a realidade da população.

“Para ser clara, a cultura hip-hop é a cultura dos Estados Unidos. Conta histórias que não viram notícia. Mas, como disse uma vez o grande Chuck D, o rap é a CNN da América Negra. E ao dizer a verdade, o hip hop nos chama à ação.”

Geraldo Alckmin também exalta hip hop

Outro vice-presidente — agora, do Brasil — também exaltou o hip hop nas comemorações de seus 50 anos. Geraldo Alckmin publicou um vídeo nas redes sociais para dizer que “tira o boné” para o estilo musical.

“No Brasil, o hip hop floresceu nos anos 1980. Um movimento vibrante que ganhou o mundo, inspirou gerações, mudando a música, a dança, a arte. Poesia nascida das ruas, o hip hop segue forte, de uma forma genuína, como expressão política das periferias. Nesse dia especial, homenageio todos os artistas do hip hop. O talento de unir pessoas através da música, a capacidade de dar voz às comunidades. Muito sucesso!”

A celebração do cinquentenário do hip hop ocorre em 2023 porque uma festa realizada em 1973 no Bronx, em Nova York, é considerada o marco zero do estilo. No dia 11 de agosto do ano citado, o DJ Kool Herc misturou dois discos ao usar toca-discos diferentes e um microfone, criando sobreposições e aumentando as batidas.