Brian May elogia coragem de Freddie Mercury ao revelar batalha contra o HIV

Em um mundo onde as pessoas desconheciam e temiam a AIDS, o Queen ousou tratar do assunto

Redação Publicado em 22/04/2019, às 15h49

None
Freddie Mercury, ex-frontman do Queen (Foto: Ap)

Durante a década de 1980, o mundo ocidental descobriu um dois maiores inimigos no âmbito da saúde: o vírus da AIDS. A doença surgiu já como surto, e ninguém a entendia direito: da onde veio, como era transmitida, como diminuir ou parar seus efeitos. 

A comunidade LGBT+, principalmente gays, eram algumas das principais vítimas do HIV. Isso causou um grande estigma em torno da doença e da discussão da sexualidade. As pessoas achavam que as pessoas soropositivas eram depravadas, ou que a AIDS era exclusivamente uma doença de gays.

+++ Solta o riff! Rolling Stone Brasil vai premiar o melhor riff com prêmios exclusivos no Instagram 

Foi nesse cenário que Freddie Mercury revelou que era gay e descobriu que era portador de HIV. O vocalista do Queen morreu em 1991 por complicações da doença, anunciada ao público pouco tempo antes.

Brian May, colega de banda, relembrou em uma entrevista ao STV como a coragem de Freddie de assumir o vírus naquela época de preconceitos o impressionou.

“Eu acho que tinham muito medo do desconhecido. De repente, tinha algo se espalhando pelo planeta e ninguém sabia da onde veio ou quem ia atingir em seguida.”

“Na comunidade gay era devastador, claro, existia esse estigma terrível. Existiam pessoas que diziam ‘é isso que os gays merecem’. Falavam coisas horríveis, que era uma praga para punir as pessoas. Esse tipo de ignorância pairava na época”, relembrou o guitarrista.

“E foi muita coragem de Freddie, ao perceber que estava partindo… Foi muito difícil para ele anunciar do que sofria. Mas ele o fez, e disse ‘eu não quero que as pessoas achem que morri por outra coisa. Eu morri de AIDS”, relatou May.

+++ Há 27 anos, tributo a Freddie Mercury reuniu Metallica, Guns N’ Roses, Led Zeppelin e outros artistas

Nem Freddie nem o Queen se esconderam por medo de julgamentos. Após a morte do vocalista, a banda criou o Mercury Phoenix Trust, uma instituição beneficente para arrecadar fundos e lutar contra o HIV e a AIDS no mundo todo.

“Foi um grande passo abrir o Mercury Phoenix Trustnaquela época”, disse May. “Mas assim são as coisas, é hora de se reunir e ver o que nós e toda a humanidade está enfrentando.” 

Entrevista RS: Di Ferrero fala sobre música pop, vida pós-NX Zero e projeto engavetado com Emicida: