Calendário Pirelli 2022 traz importantes nomes da música fotografados por Bryan Adams

De título On The Road, Calendário Pirelli 2022 tem participação de Cher, Jennifer Hudson, Rita Ora, Iggy Pop, Grimes, Kali Uchis e mais

Redação Publicado em 30/11/2021, às 15h55

None
Bryan Adams (Foto: Harry How/Getty Images for the Invictus Games Foundation)

No aniversário de 150 anos da Pirelli, é lançado o Calendário Pirelli 2022. O título é On the Road e as fotos são do músico Bryan Adams, que fotografou outras estrelas como Cher, Grimes, Jennifer Hudson, Normani, Rita Ora, Bohan Phoenix, Iggy Pop, Saweetie, St. Vincent e Kali Uchis.

Por mais de 20 anos, enquanto adicionava sucessos ao seu vasto catálogo musical, Bryan Adams também estabelecia sua reputação como fotógrafo e, por meio das fotos de On The Road, capturou a vida do artista em turnês. Este também é o tema da música de mesmo nome, “On The Road”, que o músico canadense compôs para o Calendário e será incluída em seu próximo álbum.

+++ LEIA MAIS: Bryan Adams fotografa importantes nomes da música em On The Road, tema do Calendário Pirelli 2022; veja

No set da 48ª edição do Calendário, os músicos revivem momentos da vida em turnê, da tensão antes de uma performance, dos intervalos entre os ensaios e concertos às longas jornadas de uma cidade para a outra e a solidão dos quartos de hotel. São experiências que Bryan Adams conhece bem, e pela primeira vez na história do Calendário, o fotógrafo faz parte do cast.

As fotos foram tiradas no último verão, em apenas três dias, em dois locais em Los Angeles: no Palace Theatre e no Hollywood’s Hotel Chateau Marmont , e no hotel Scalinatella, em Capri.

Para celebrar o lançamento de On The Road, um evento digital poderá ser assistido por todos a partir de 17h (horário de Brasília), em 29 de novembro, pelo site www.pirelli.com.

+++ LEIA MAIS: Bryan Adams testa positivo para covid-19 pela segunda vez em menos de um mês

Uma conversa com Bryan Adams

Qual é a ideia por trás do seu Calendário Pirelli?

Tentei usar a criatividade para transmitir a ideia de uma jornada pela vida de um artista. Uma das coisas sobre as fotos é que você não quer que as elas sejam normais. Você quer que uma imagem seja algo memorável, e é o que tentei fazer.

Como surgiu o tema “On the Road” (“Na Estrada”, em português)?

Não foi muito difícil, para ser sincero, porque estar na estrada é o que tenho feito nos últimos 45 anos. Quando eu propus isso, quase pensei que talvez isso tivesse sido feito antes porque é uma coisa tão óbvia, e eu pensei que a relação simbiótica seria boa, a ideia de músicos que viajam e uma empresa que fabrica pneus. Faz sentido para mim. E a Pirelli também adorou.

Você pode descrever como as fotos contam a história de turnês, performances e a experiência de estar na estrada?

Seria muito, muito difícil resumir tudo o que acontece na estrada em alguns dias. Então, o que tentei fazer foi representar alguns dos aspectos disso. Por exemplo, músicos nunca realmente veem a frente do prédio, eles veem a parte de trás do prédio, nós vemos a porta do palco, vemos a área dos bastidores, vemos o porão de um edifício... você vai da porta do palco para a porta do carro, para a porta do hotel, para a porta do trem, para a porta do ônibus, então é um monte de portas, mas é sempre sobre viajar.

Essa é a primeira vez que The Cal abordou a música e os músicos desta forma e, como um fotógrafo e músico, você está em uma posição única para isso. Você pode falar sobre isso?

Quer dizer, realmente, estou feliz que isso tenha acontecido e seja identificável em um mundo que eu entendo. Para mim, pessoalmente, foi muito bom poder trabalhar com outros músicos e obter uma chance de dar uma olhada em seus mundos e ver como eles os montaram porque, você sabe, mudou muito, e a imagem se tornou uma parte incrivelmente importante do que acontece agora com a música. Agora, um artista pode mudar completamente a forma como deseja ser representado em uma única fotografia, por conta própria, eles estão no controle. Então, é um momento interessante fotograficamente e artisticamente para os músicos.

O que você gostaria que suas fotos comunicassem?

Espero que as pessoas gostem da fantasia e da realidade que retratamos nessas poucas imagens. É só um corte transversal do que poderia ter sido e, infelizmente, não há espaço. Você precisaria de um livro sobre cada pessoa para poder contar a história, mas é um vislumbre e é um vislumbre interessante de cada artista.

Qual é a sua lembrança favorita na estrada?

Bem, há uma citação - na verdade, acho que foi em Apocalypse Now - onde um soldado fala sobre estar na selva, e todos os dias em que ele estava na selva, ele queria chegar em casa, mas todos os dias que ele estava em casa, ele queria voltar para a selva, então um pouco disso é o que acontece com músicos. Temos essa coisa viciante onde, uma vez que você fez isso, você faz de novo e você faz novamente.

O que fazer turnê significa para você?

Bem, fazer turnês tem sido minha vida de verdade e não sei de que outra forma poderia explicar isso para você. É como ter outra família e sinto falta deles por causa dessa coisa da covid-19.

Você está animado para voltar à estrada?

É interessante, tive tempo para refletir e nunca pensei que isso fosse acontecer, nunca pensei em meus sonhos mais loucos de que o mundo fecharia e não poderíamos viajar. Estou animado para voltar, mas ao mesmo tempo eu realmente gostei do meu lockdown. Eu me diverti muito com minha família e nós nos divertimos muito em nossa pequena bolha, mas a bolha está começando a se abrir, conforme nós podemos ver, e o mundo está começando a se abrir e espero que continue assim.