Cobra Starship mostra mais simpatia que música no Pop Music Festival

Principal público da banda é o teen, e os donos do hit "You Make Me Feel" sabem disso

Lucas Reginato Publicado em 24/06/2012, às 05h01 - Atualizado às 21h40

Cobra Starship

Ver Galeria
(4 imagens)

O Cobra Starship tem um público predominantemente teen, e seus integrantes têm plena consciência disso. Em diversos momentos da apresentação, a banda deixou a música de lado para atrair a atenção com danças, saltos e artifícios teatrais. Por não ter lançado mão de efeitos pirotécnicos e artimanhas de luz, o quinteto nova-iorquino, e principalmente o vocalista Gabe Saporta, teve que suar a camisa para dar conta da grandeza do palco e da plateia que começava a crescer para ver as grandes estrelas da noite – Kelly Clarkson, Jennifer Lopes e Paris Hilton, que se apresentariam mais tarde.

O começo do show não foi dos melhores. “Good Girls Go Bad”, primeiro single do terceiro álbum, Hot Mess, lançado em 2009, foi cantada em grande parte fora do tom. O público, por outro lado, parecia estar empenhado em aproveitar e pulou durante os primeiros minutos, o que visivelmente animou os músicos. A apresentação esfriou durante as canções seguintes, “Nice Guys Finish Last”, também de 2009, e “Fool Like Me”, gravada no último trabalho da banda, Night Shades (2011), mas foi então que o uruguaio Saporta mostrou que, embora não esteja nem de perto de ser um grande cantor, é muito carismático e tem fôlego para sustentar a apresentação em um palco grande. As brincadeiras com o microfone, que era atirado a todo tempo para cima, deram trabalho à equipe de apoio, que a todo momento precisava acertar a posição dos fios, mas a inquietude era necessária e cativou a plateia.

A apresentação seguiu sem momentos de muito brilho. Os companheiros de Saporta, principalmente o guitarrista Ryland Blackinton e a tecladista Victoria Asher, tiveram seus momentos, embora o auge desta última fosse de fato na música final e grande hit da banda, "You Make Me Feel". O falatório entre uma canção e outra tomou parte do pouco tempo de show. Saporta fez uma declaração de amor a J-Lo (“espero que ela esteja me escutando”) e a Michel Teló, que havia se apresentado anteriormente. O verso mundialmente conhecido de “Ai Se Eu Te Pego” entrou no meio da letra de “Smile for the Paparazzi”, que tentou, sem sucesso, levar ao Anhembi algum clima latino. Outro sucesso brasileiro, “Eu Quero Tchu, Eu Quero Tcha”, também teve seu refrão cantado pela segunda vez na noite.

Não havia como esconder, no entanto, que a banda é, pelo menos no Brasil, conhecida essencialmente pela já citada “You Make Me Feel”, que tocou exaustivamente nas pistas de dança do país. Seguindo a atual música de trabalho, “#1Nite”, o hit recebeu a atenção que merecia e terminou o show com euforia, como manda a cartilha das estrelas teen. Foram apenas 45 minutos, mas tempo suficiente para que a banda conseguisse conquistar parte do público – e dificilmente Saporta aguentaria muito mais do que isso, pois após tantos pulos e macaquices o fôlego dele já parecia estar chegando ao fim.