Empresas brasileiras não se pronunciam sobre veto ao Blu-ray de Azul é a Cor Mais Quente

Em comunicado, a distribuidora do filme Imovision lamenta a impossibilidade de lançamento no formato e “busca alternativas”

Redação Publicado em 25/02/2014, às 17h27 - Atualizado às 18h27

Azul é a Cor Mais Quente
Divulgação

Mesmo depois de serem citadas pela Imovison como as responsáveis por negar a produção da versão em Blu-ray do filme Azul é a Cor Mais Quente, as empresas Sonopress e SONY DADC preferiram não se manifestar a respeito, em contato com a reportagem da Rolling Stone Brasil na tarde desta terça-feira, 25.

Aos 20, francesa Adèle Exarchopoulos brilha em Azul É a Cor Mais Quente, drama sobre relação lésbica

Mais cedo, a Imovision, distribuidora do longa de Abdellatif Kechiche, confirmou o que havia sido revelado pela equipe de divulgação do filme no Facebook, com um comunicado divulgado para a imprensa. Nele, a distribuidora diz que depois de encontrar dificuldades em fazer o lançamento em DVD, procurou a brasileira Sonopress para a prensagem em Blu-ray.

A Sonopress, contudo, teria tido o serviço negado. O departamento jurídico da empresa, em contato com a RS Brasil, afirmou que está “apurando a questão e irá se pronunciar”. Por enquanto, a Sonopress preferiu não se declarar sobre a o caso.

Ainda de acordo com o comunicado, a Imovison afirma ter contatado a Sony DADC e ouviu mais uma negativa. O texto da distribuidora, que pode ser lido na íntegra abaixo, diz que Azul é a Cor Mais Quente foi negado devido “às cenas de sexo”. O escritório de Manaus (Amazonas) da Sony diz não possuir mais assessoria de imprensa, que ficava em São Paulo, e não tem declarações a fazer.

A situação foi revelada pela própria equipe de divulgação do filme no Brasil, pelo Facebook. No texto publicado na última segunda, 24, eles mostram a indignação sobre a situação. “Ainda estamos batalhando para reverter essa situação, mas não conseguimos acreditar que tratariam dessa forma a história de amor mais linda de 2013”.

Cannes 2013: Azul é a Cor Mais Quente é o vencedor da Palma de Ouro.

São justamente as cenas entre as duas atrizes as causadoras do boicote alegado pela produção do filme. “As empresas brasileiras produtoras de Blu-ray se negam a produzir o filme devido ao seu ‘conteúdo’”, diz o texto. “O que vocês acham disso?”, perguntam eles, aos internautas, no fim.

O filme de Abdellatif Kechiche foi o grande vencedor da Palma de Ouro no festival francês e mostra a história de amor e as descobertas sexuais de Adèle (Adèle Exarchopoulos) com Emma (Léa Seydoux).

Abaixo, o comunicado da Imovision:

“Depois das dificuldades encontradas para a replicação do DVD do filme Azul é a Cor Mais Quente, a Imovision procurou a empresa brasileira Sonopress, que replica seus títulos em Blu-ray, mas a mesma se recusou e ainda alegou que nenhuma outra empresa faria o serviço.

A Imovision então contatou a Sony DADC, que também se recusou a produzir o Blu-ray do filme, por considerar o conteúdo inadequado devido às cenas de sexo, apesar do filme já ter sido classificado para maiores de 18 anos.

O filme, vencedor do Festival de Cannes, só poderá ser reproduzido em DVD até o momento. A Imovision, distribuidora do filme, lamenta o fato e busca alternativas para a replicação do filme em Blu-ray no âmbito nacional.”