Filho de Chorão diz que ele e o pai cresceram juntos

Em entrevista, o estudante falou sobre os planos do músico e da relação que tinha com ele e com o Charlie Brown Jr.

Redação Publicado em 11/03/2013, às 14h30 - Atualizado às 14h47

Alexandre - filho de Chorão
Reprodução

Está na íntegra na internet a entrevista concedida por Alexandre Abrão, filho de Chorão, ao Fantástico. Na noite do último domingo, 10, o programa exibiu alguns trechos da entrevista em uma matéria a respeito da morte do vocalista do Charlie Brown Jr.

Relembre a trajetória e os sucessos do Charlie Brown Jr.

Nos trechos que não foram exibidos na TV, Alexandre contou a Zeca Camargo o quanto era próximo do pai e o quanto tinha se aproximado mais ainda dele nos últimos meses. Ele falou que Chorão andava isolado, mas que “isso era normal dele”. “Ele sempre foi uma pessoa muito privada”, disse.

Alexandre estava trabalhando como fotógrafo dos shows do pai e conta que o Charlie Brown era realmente a família dele, afinal, tinha 4 ou 5 anos quando a banda começou e seu pai tinha apenas 20 quando ele nasceu, de forma que eles cresceram juntos.

“Ele dizia que comigo se sentia calmo, sentia paz. E, realmente, eu tenho que dizer que isso é verdade, porque os momentos que eu passei com ele, os últimos momentos, foram de felicidade pura”, afirmou o jovem, que contou que só tinha coisas boas pra herdar do pai.

Alexandre ia trabalhar com Chorão em mais um projeto cinematográfico do artista, que já tinha escrito O Magnata, de 2007. O filme se chama O Cobrador e já estava em produção. Ele também contou que Chorão havia escrito um livro, mas não deu mais detalhes. Além disso, Chorão deixou um disco praticamente pronto com o Charlie Brown Jr. Ouça abaixo o single mais recente da banda, lançado na semana passada:

"As pessoas o protegiam porque achavam que eu que estava exagerando", diz esposa de Chorão.

A morte de Chorão

Alexandre Magno Abrão tinha 42 anos e foi encontrado morto no apartamento que, segundo amigos de familiares, era o espaço comumente usado por ele para se drogar. O corpo foi achado pelo segurança e pelo motorista do cantor, Victor Vasconcelos e Kleber Atalla, respectivamente. O imóvel, localizado em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, estava muito danificado por dentro, com um buraco na parede, tacos arrancados, portas e interruptores quebrados, e até um ar condicionado arrancado da parede. Chorão tinha problemas para controlar a agressividade, principalmente quando estava sob efeito de cocaína, reportam conhecidos. Ele tinha ainda ferimentos em uma das mãos, no pé e no rosto. Além do medicamento Lexotan e do anestésico bucal Nene Dent, havia no apartamento um pó branco, que a polícia acredita ser cocaína, e um canudo feito com uma folha de cheque.

O velório e o sepultamento de Chorão aconteceram em Santos. Cerca de cinco mil pessoas passaram pela Arena Santos, onde ele foi velado. Após as investigações – em duas semanas, exames devem revelar a causa da morte –, o corpo do vocalista será cremado, como era o desejo dele.

Veja fotos do velório de Chorão.