Rolling Stone
Busca
Facebook Rolling StoneTwitter Rolling StoneInstagram Rolling StoneSpotify Rolling StoneYoutube Rolling StoneTiktok Rolling Stone

Ivan Lins defende Sesc contra projeto de lei para remanejamento de verba

Projeto de lei para destinar 5% das verbas do Sesc e Senac à Embratur será votado no Senado

Redação Publicado em 16/05/2023, às 13h52

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Ivan Lins (Foto: Reprodução / Câmara dos Deputados)
Ivan Lins (Foto: Reprodução / Câmara dos Deputados)

Ivan Lins pediu apoio ao Sesc em vídeo publicado pela instituição nesta terça, 16. O Sistema S, formado pelo Sesc, Senac e outras organizações, pode sofrer com remanejamento de 5% das verbas para a Embratur, conforme projeto a ser votado no Senado.

"Se aprovado, esse projeto de lei pode comprometer milhares de ações de educação, de saúde, de lazer, de cultura, de assistência e qualificação profissional em todo o país," declarou o músico. 

Sesc e Senac iniciaram uma petição online que, segundo a Folha de S.Paulo, ultrapassou 430 mil assinaturas para protestar contra a aprovação da nova medida. "Assine a petição e compartilhe essa mensagem com familiares e amigos. Salve o Senac e salve o Sesc," Lins completou.

+++ LEIA MAIS: João Gilberto ganha disco ao vivo com faixa inédita

O orçamento das duas instituições parte do recolhimento compulsório de 1,5% no pagamento de empresas dos setores de bens, serviços e turismo. Cálculo aponta que R$ 121 milhões deixariam de ser investidos em atividades gratuitas no Sesc.

Marcelo Freixo, presidente da Embratur - responsável por promover o turismo internacional no Brasil -, argumentou que 5% da verba representaria R$ 400 milhões do orçamento das organizações, sendo que haveria sobras anuais de R$ 2 bilhões.

Segundo José Roberto Tadros, presidente da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens Serviços e Turismo, que administra o Sesc e Senac), o valor que está no caixa das instituições já está comprometido com obras de manutenção e inauguração de novas unidades. "Mesmo se houvesse reservas, essas reservas são nossas. Isso se chama desapropriação. O Brasil não é um país comunista," afirmou.