Pulse

Lana Del Rey reclama de nota baixa recebida pelo novo disco e crítica responde

Norman Fucking Rockwell é o sexto álbum da cantora norte-americana

Redação Publicado em 06/09/2019, às 14h36

None
Lana Del Rey (Foto: Reprodução / YouTube)

Desde o lançamento de Norman Fucking Rockwell, Lana Del Rey tem mantido uma relação saudável com os críticos de música já que muitos elencaram o projeto mais recente da cantora como "o trabalho mais sofisticado até agora". A Pitchfork, por exemplo, deu 9.4 para o álbum. 

No entanto, a opinião da escritora da NPR, Ann Powers, que publicou um artigo sobre o álbum, provocou indignação na estrela do pop e dos fãs nas redes sociais. 

+++ LEIA MAIS: Lana Del Rey vai do surfe à melancolia no clipe duplo de ‘Fuck It I Love You’ e ‘The Greatest’; assista

Na última quarta, 4, Del Rey não mediu palavras no Twitter quando respondeu o tuíte de Powers em que ela compartilha a crítica. A escritora disse que as letras da cantora são muito básicas em comparação a de artistas como Joni Mitchell e a analisou como uma persona de "menina má" e que coisas ruins são feitas a ela. 

"Eu nem me preocupo com a observação que você fez sobre a minha música. Não há nada básico em mim. Nunca tive uma persona. Nunca precisei de uma. Nunca precisarei."

"Portanto, não se chame de fã como você fez no artigo", acrescentou Del Rey em outro tuíte.

"Talvez eu nunca tenha feito declarações políticas ou culturais ousadas antes - porque meu presente é viver como eu vivo a minha vida e a auto-reflexão que compartilho generosamente."

Power seguiu a defender os pontos do artigo sobre o álbum e desejou sucesso contínuo para a cantora. 

"É responsabilidade de um crítico ser atencioso e honesto consigo mesmo ao responder ao trabalho dos artistas, e a prerrogativa de um artista de discordar dessa resposta", disse Powers.

"Eu respeito a Lana Del Rey e espero que sua música continue recebendo a apreciação apaixonada que tem recebido há anos."

Na crítica, Powers elogia as narrativas construídas por Del Rey mas também observou tons "carentes", "sem poder" e "dispersos".