Lollapalooza 2019: Entre um mosh e outro, Fever 333 exalta a necessidade do confronto político

Aos berros e beatbox, o trio também falou sobre a importância da segurança das mulheres no ambiente punk

Igor Brunaldi Publicado em 05/04/2019, às 15h00

None
Jason Aalon Butler, vocalista do Fever 333, no Lollapalooza 2019 (Foto: Mila Maluhy)

Com influências de Linkin Park, Rage Against the Machine e toda a pegada industrial do Nine Inch Nails, o Fever 333 veio para dar porrada.

Entre berros do vocalista, linhas fortes de baixo, beats e samples de discursos políticos, a banda reuniu a parcela do público do Lolla que estava afim de ouvir um som pesado e levantar a poeira da terra e da grama seca a frente do palco Adidas.

“Essa aqui é para as pessoas do Brasil”, disse o vocalista. “Nós viemos de um país em que é necessário falar sobre o passado para que as coisas sejam melhores hoje”.

+++ Tudo sobre o Lollapalooza 2019: shows imperdíveis, revelações e dicas de sobrevivência

A galera então respondeu com gritos de “Ei Bolsonaro, vai tomar no cu!”. E ele pediu para gritarem mais alto, apesar de logo depois admitir que não sabia o que significava, mas concordava com tudo.

“Todas as mulheres dessa plateia devem se sentir seguras nesse ambiente, pelo rock e pelo punk”.

+++ Lollapalooza 2019: com show mais político, Scalene motiva gritos contra Bolsonaro

Com um dos bateristas mais animados e agitados que deve subir ao palco nessa edição do Lolla, o Fever 333 foi cativando o público e aumentando a plateia a cada nova música. Aqueles que passavam só para dar uma olhada, com certeza acabaram ficando para conferir o show. O palco ficou pequeno para o trio.

Um rasgo do calcanhar até a virilha no macacão preto do vocalista não o impediu de pular e cachoalhar a cabeça, do início ao fim da apresentação, e de até dedicar uma das músicas ao DJ Steve Aoki, que também se apresenta no festival.

O macacão não existia mais, e ao final do show, o guitarrista tocou de cima da estrutura do palco. Como ele chegou lá, ninguém sabe.

Na setlist, a banda apresentou faixas como “Made an American”, “Burn It”, “Hunting Season” e até um beatbox do vocalista acompanhado de um solo de bateria.