Luísa Sonza diz que nem sempre a música é para refletir

Cantora e digital influencer aos 20 anos, a dona do hit "Devagarinho", promete não ser somente a esposa de Whindersson Nunes e garante que os "looks do dia" ajudam na carreira de compositora

Baárbara Martinez Publicado em 25/10/2018, às 13h10

None
Bruno Pereira/ Divulgação

Casada com um dos youtubers mais famosos do país, mas Luísa Sonza afirma que não são a mesma pessoa, e que a associação constante não lhe incomoda. ‘’Somos marido e mulher, mas antes somos seres individuais, com sonhos, objetivos e focos. Acredito que por sermos um casal, associações são normais. Nós buscamos cada vez mais conquistar nossos espaços e batalhar pelas nossas carreiras”.

Ela tem voz ativa na internet e a loira carrega uma legião de seguidores, mais de 13 milhões nas principais redes como Facebook, Instagram, Twitter e YouTube. “Temos muitas pessoas acompanhando a gente, ouvindo nosso discurso, nossas reflexões, nosso posicionamento”.

Leia também: Mais madura, Luísa Sonza aposta em empoderamento feminino para o clipe de "Boa Menina"

Ainda sobre o meio digital, ela destaca gratidão ao citar sua outra profissão. “Na minha carreira, ser uma digital influencer somou sempre, pois me aproximou mais do meu público, permitiu que eu mostrasse minha paixão que é cantar. A internet trouxe a possibilidade de uma relação mais íntima com meus fãs e com as pessoas de forma geral. Só agradeço”.

Assumidamente feminista, Luísa, que já realizou procedimentos estéticos para aumentar os lábios, afirma que alterar o corpo não é um problema e muito menos uma contradição. “Se eu opto em realizar uma mudança, é porque me sentirei melhor e mais feliz com ela. Tenho esse direito assim como toda a mulher. Empoderamento é ser você, sem amarras, sem padrões estabelecidos”.

A artista, que começou a carreira aos sete anos de idade e chegava a fazer cerca de 25 shows por mês, destaca que parte do seu sonho de ser cantora foi vivido logo na infância e que isso foi essencial para que ela chegasse onde está hoje. “Os meus amigos próximos daquela época sabem que eu nunca tive momentos que podia brincar a qualquer hora, ir para festas... Eu nunca tive isso. Eu normalmente trabalhava nas festas dos outros. O que eu mais abri mão foi de brincar e de ser uma adolescente; pulei para a vida adulta muito cedo”.  

Ainda sim, ela garante que não se arrepende de ter tido responsabilidades quando jovem. “Estou aqui, hoje, com 20 anos, porque comecei muito antes. Eu tive uma escola muito grande, uma escola da vida, eu sou muito grata a isso. Muito grata a Deus por isso”.

Sem medo de sua fama ser passageira, a cantora afirma que ainda há muito por vir. “Não foi uma coisa que comecei ontem e a música 'Devagarinho' explodiu. Faz muito tempo que eu estou na estrada, faz muito tempo que eu estou batalhando e tenho muita coisa para conquistar, muita coisa para crescer, evoluir e para mostrar principalmente. As pessoas ainda não conheceram nem 10% da Luísa que eu quero que as pessoas conheçam”.

Contente com o sucesso de ter um hit emplacado, Luísa garante que não faz as músicas pensando nos resultados. “Eu penso no que eu sinto da música. Se eu gostaria de escutar e se é uma coisa que vem de mim, eu lanço. Eu me senti em 'Devagarinho'. Criei um link emocional com ela”.

Luísa também afirmou qual é o seu papel no meio cultural neste momento. “Com a música penso em fazer as pessoas felizes, porque nem sempre a canção é para refletir ou para falar sobre problemas, no mundo que a gente vive hoje, às vezes as pessoas querem esquecer de tudo, dançar e ser feliz”. Sobre cantores, como Chico Buarque, Caetano Veloso e Geraldo Vandré, que fazem da música sua crítica social, a moça afirma que esse tipo de reflexão é necessária. “Eles são uma inspiração para qualquer artista e suas músicas são essenciais e, em sua grande maioria, carregam momentos históricos muito importantes para nossa nação. Eu acho essencial que haja músicas com teor crítico e reflexivo”.

Ainda sobre o poder da canção, a loira declarou: “Quando digo que nem sempre a música é para falar de problemas, ressalto justamente que há espaço para todos e música depende muito do momento, da circunstância”. 

Em um momento crucial da política brasileira, a influencer optou por não se posicionar sobre o movimento #EleNão, que critica a candidatura do deputado Jair Bolsonaro para a presidência. “Vivemos um momento delicado, cheio de polarizações. E optei por não entrar nesse debate”, justificou.

A mulher de Whindersson lançou recentemente, a música "Nunca foi sorte", que pertence à trilha sonora da próxima novela das 21h da TV Globo, O Sétimo Guardião. Convidada por Aguinaldo Silva para embalar a história, Luísa terá, pela primeira vez, uma música em uma novela. A letra, composta pelo próprio autor da trama, traz um discurso forte de quebra de tabu. Além de interpretar a canção, a cantora também fará uma participação no folhetim.