Mais ‘quente’ que 50 Tons de Cinza da Netflix, 365 Dias é acusado de ser ‘tóxico’ e ‘problemático’

Longa estreou em junho deste ano

Redação Publicado em 16/06/2020, às 08h04

None
Cena de 365 Days (Foto: Reprodução)

Por conta das cenas picantes, 365 Dias se tornou um dos filmes de maiores destaques da Netflix dos últimos dias. A produção estreou no dia 7 de junto deste ano na plataforma e já coleciona algumas polêmicas. Agora, o thriller erótico é acusado de glamorizar a síndrome de Estocolmo, estado psicológico no qual uma pessoa passa a ter simpatia, amizade ou amor pelo agressor. A informação é do Mirror.

365 Dias acompanha a diretora de vendas Laura, interpretada por Anna-Maria Sieklucka, que encontra o assustador e bizarro Massimo, interpretado por Michele Morrone, quem sequestra ela. Então, o homem dá 365 dias para a protagonista se apaixonar por ele.

+++LEIA MAIS: Por que é importante repensar no machismo em séries antigas como Friends e How I Met Your Mother? [ANÁLISE]

Então, o público é apresentado a "evolução" do relacionamento dos dois, com diversos momentos intensos e sadomasoquistas. Alguns espectadores ficaram chocados com as cenas quentes e suporam que os dois atores se relacionaram na vida real. Já outros ficaram horrorizados.

"Eu tentei assistir ao 365 Dias esta manhã e esse filme NÃO SÓ é errado em muitos níveis como não deveria ter romantizado alguém sequestrando você por um ano para fazer você se apaixonar, isso é chamado de síndrome de Estocolmo", escreveu um usuário do Twitter, segundo o Mirror.

+++LEIA MAIS: Os 12 melhores filmes de todos os tempos, segundo Tarantino

Ainda de acordo com o site, outra pessoa escreveu: "Imaginei que veria o hype do filme 365 Dias... e eu não sei, ele glorifica a síndrome de Estocolmo e isso é bizarro. Além disso, o final é uma me***".

As críticas não param por aí. "Quem gostou do 365 Dias precisa procurar terapia o mais rápido possível! O filme inteiro é basicamente sobre sequestro e manipulação de alguém para o ponto em que eles desenvolvem a síndrome de Estocolmo. Para não mencionar o relacionamento louco, tóxico e problemático", publicou outro usuário do Twitter.

+++LEIA MAIS: Fãs se revoltam ao descobrirem que Rage Against the Machine e System of a Down são bandas políticas - pois é, em pleno 2020

Um outro intenauta escreveu: "O novo filme da Netflix, 365 Dias: glamoriza masculinidade tóxica, síndrome de Estocolmo, cenas sexuais sem consentimento, desconfortáveis ​​e gráficas que você pode estar assistindo pornô, sem mencionar a natureza abusiva do personagem principal! PARE DE PROMOVER ESTE TIPO DE RELACIONAMENTO!".


+++ A PLAYLIST DO RUBEL